1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petrobrás terá corte de 9% no orçamento previsto para este ano

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 21h 20

Estatal trabalharia este ano com R$ 75,6 bilhões, mas espera reforço de parceiros para retomar projetos como o Comperj

O orçamento da Petrobrás deste ano será de R$ 75,6 bilhões, 9% menor do que o de 2015, segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), sancionada pela presidente Dilma Rousseff há uma semana. 

O documento traz algumas mudanças de rota na estratégia da empresa. O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) será retomado, exigindo investimento de R$ 6,7 bilhões, enquanto aportes na construção de navios e na BR Distribuidora serão cortados.

O programa de construção de navios da subsidiária de logística Transpetro foi praticamente engavetado, sem previsão de construção de novos navios. O mesmo acontece com a BR, incluída na lista de ativos à venda da companhia. Para a distribuidora, só foi reservado dinheiro para manutenção.

No Comperj, o principal investimento será na instalação dos dutos que vão levar o gás natural produzido no pré-sal até a refinaria, para ser usado como matéria-prima. Apenas neste projeto serão gastos R$ 3,7 bilhões. Na retomada das obras da refinaria, propriamente, serão investidos mais R$ 2,55 bilhões. E há ainda orçamento de R$ 465,2 milhões para a instalação de outros dutos.

Para isso, a Petrobrás conta com o dinheiro de sócios. Documento do Ministério do Planejamento, de julho do ano passado, que altera a LDO de 2015, traz posição da Petrobrás sobre a busca de parceiros. Segundo o texto, “a companhia está estruturando um modelo de negócios, que inclui parcerias para a conclusão do empreendimento (Comperj)”. Fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço de informação em tempo real, informaram que o mais provável é que o acordo seja firmado com parceiros chineses no início deste ano.

Já na Transpetro, que pelos planos originais do governo deveria liderar o desenvolvimento da indústria naval e a geração de empregos, o orçamento foi cortado quase pela metade. O investimento na subsidiária passou de R$ 2,36 bilhões, em 2015, para R$ 1,34 bilhão, neste ano, segundo a LDO. 

O plano não prevê a contratação de novos navios. A Transpetro vai se ater a pagar R$ 880,5 milhões por seis navios já recebidos. O restante do orçamento será usado na manutenção da infraestrutura existente. O orçamento para a construção de embarcações pela subsidiária na Holanda, porém, deu um salto de 57%, indo para R$ 10,7 bilhões, em 2016. Apenas o projeto de construção de seis navios plataformas vai receber R$ 4,64 bilhões. Eles não faziam parte do orçamento porque a ideia era vender todas as unidades, inclusive as em operação, para depois afretar, mas o plano não deu certo. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX