Fabio Motta/Estadão - 11/4/2014
Fabio Motta/Estadão - 11/4/2014

Petrobrás anuncia que gás de cozinha terá nova regra de preço

Companhia decidiu fazer mudança na metodologia do reajuste, para ‘suavizar os impactos’; desde junho, botijão já teve alta de 68% na refinaria

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2017 | 14h23

RIO – Na mesma semana em que anunciou o oitavo reajuste do preço do botijão de gás em 2017, a Petrobrás decidiu rever a política de preços para o combustível. Em nota, a estatal alega que a metodologia atual traz para o Brasil a volatilidade do mercado europeu e que o objetivo agora é suavizar os impactos do modelo de acompanhamento dos preços internacionais.

Em junho, a petroleira decidiu adotar uma política de reajustes mais frequentes para o gás de cozinha, o que fez o preço do botijão de gás de 13 quilos, o mais utilizado nas residências brasileiras, disparar e contabilizar uma alta de 68% na refinaria. Para o consumidor, no entanto, o ajuste foi um pouco menor, explica o economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) André Braz. 

++ Bolivianos cobram da Petrobrás posição sobre compra de gás

“O impacto para o consumidor é menor, mas não deixa de ser relevante, o botijão de gás representa 1% da renda familiar, e os ajustes da Petrobrás já correspondem a quatro vezes a inflação”, explicou.

De janeiro a junho de 2017, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) Brasil da FGV mediu inflação de 12,2% para o botijão de gás de 13 quilos, um impacto forte na renda das famílias em tempos de inflação no patamar de 3%.

Para o economista, no entanto, a mudança de metodologia não deve ter por objetivo reduzir esse efeito, mas sim evitar os sucessivos reajustes, concentrando-os em ajustes mensais, por exemplo. “Houve um represamento de preços antes (no governo anterior), mas agora não faria sentido. Se o preço do petróleo continuar subindo, vai ter de ser repassado”, disse. 

++ Preço do gás de cozinha nas refinarias da Petrobrás acumula alta de 84% no ano

Após inúmeros aumentos no governo Fernando Henrique Cardoso, o preço do botijão de gás de 13 quilos ficou praticamente congelado durante os governos Lula e Dilma, com registro de só um aumento, em 2015, o que ajudou a controlar a inflação.

Para o professor da PUC-RJ Alfredo Renault, o controle da inflação não parece ser o objetivo da Petrobrás ao anunciar que vai alterar a metodologia de ajuste do botijão de gás.

“O caminho da manutenção de preços dos derivados (de petróleo) alinhados com o preço internacional é fundamental para atrair o setor privado para a área de refino no Brasil. Não acredito que vão mudar essa rota”, disse Renault. 

Inverno. A Petrobrás não informou qual será a nova metodologia, mas disse que a mudança se limita ao botijão de 13 kg. A empresa explicou que o mercado de referência para reajustar especificamente esse produto, a Europa, tem mostrado muita volatilidade nos preços, agravado pelo inverno da região. “A correção aplicada esta semana foi a última com base na regra vigente”, disse a estatal.

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás Gás de Cozinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.