1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Petroleiras pressionam por fim de política do conteúdo local

- Atualizado: 26 Fevereiro 2016 | 22h 34

Após mudança nas regras do pré-sal no Senado, multinacionais querem o fim da exigência, mas Dilma não estaria disposta a flexibilizar essa norma

RIO - Concluída a votação no Senado que levou à flexibilização das regras do pré-sal, o governo trava novo embate com petroleiras estrangeiras. Dessa vez, o foco é o conteúdo local. Uma fonte do Planalto disse ser “gigantesca” a pressão pelo fim da obrigatoriedade para que as petroleiras contratem um volume mínimo da indústria nacional. Segundo a fonte, a presidente Dilma Rousseff não está disposta a alterar a regra, o último pilar da sua promessa de campanha eleitoral de usar o pré-sal como âncora de desenvolvimento do mercado interno.

Nos próximos leilões, que só devem acontecer a partir de 2017, serão exigidos porcentuais semelhantes aos da área de Libra, na Bacia de Santos, a única leiloada no regime de partilha até agora. Em outubro de 2013, na concorrência por Libra, o governo fixou em 55% o piso de aquisição local na fase de produção e em 37%, na de exploração. É na etapa de produção que são realizadas as contratações mais altas, para a construção de plataformas.

Senado aprovou projeto que tira exclusividade da Petrobrás na exploração do pré-sal

Senado aprovou projeto que tira exclusividade da Petrobrás na exploração do pré-sal

O governo vê como forçada a argumentação das petroleiras de que a indústria nacional não está preparada para atender à demanda – o que, segundo as empresas, estaria impossibilitando o cumprimento dos porcentuais de conteúdo local previstos nos contratos de concessão para áreas de pós-sal. O Planalto admite falha exclusivamente do setor naval, que, em alguns casos, chega a atrasar em quatro anos a entrega de cascos de plataformas, por “incompetência na gestão”, segundo a fonte do governo.

Diretor de óleo e gás natural da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Alberto Machado pondera que, com a mudança do marco legal, a Pré-sal Petróleo (ex-PPSA), representante da União, ganhou importância, avalia Machado. “A Pré-sal Petróleo tem a obrigatoriedade de fiscalizar o conteúdo local, com poder de veto e com voto de qualidade sobre as contratações. Mesmo que a Petrobrás esteja fora dos consórcios, a PPSA tem poder”, afirma.

O texto aprovado no Senado na última quarta-feira é mais restritivo à Petrobrás do que o original, proposto pelo senador José Serra (PSDB-SP), avalia a fonte do Planalto ouvida pelo Estado. O texto substitutivo, do senador Romero Jucá (PMDB-RR), remete a decisão ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), presidido pelo Ministro de Minas e Energia. Segundo a fonte, o método de exploração do pré-sal continua sendo político, conforme a estratégia traçada pelo governo do momento. “No caso do governo Dilma, todas as áreas serão dadas à Petrobrás. Mas, em um governo do PSDB, por exemplo, nenhuma área deve ser dada”, avalia a fonte.

O projeto prevê que, ainda que a estatal manifeste interesse em uma área, se o CNPE considerar que a decisão não é estratégica, vai barrar a empresa. O poder de decisão é do conselho: “Após a manifestação da Petrobrás, o CNPE proporá à Presidência da República quais blocos deverão ser operados pela empresa, indicando sua participação mínima no consórcio previsto no art. 20, que não poderá ser inferior a 30%.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX