1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Investimentos despencam e PIB cai 3,8% em 2015, na maior recessão desde 1990

- Atualizado: 03 Março 2016 | 11h 41

Indústria encolheu 6,2% no ano passado, puxada pela construção, o que levou a uma queda de 14,1% nos investimentos; dentre os setores, apenas a agropecuária teve desempenho positivo em 2015

Setores: agropecuária cresceu 1,8%; indústria (-6,2%) e serviços (-2,7%) encolheram 

Setores: agropecuária cresceu 1,8%; indústria (-6,2%) e serviços (-2,7%) encolheram 

SÃO PAULO - A economia brasileira encolheu 3,8% em 2015, na maior recessão desde 1990, quando o Produto Interno Bruto (PIB) despencou 4,35% no governo de Fernando Collor. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que a crise econômica continuou se aprofundando no quarto trimestre do ano passado, período em que o PIB caiu 1,4% ante o trimestre anterior e 5,9% na comparação com o mesmo período de 2014. 

A forte contração da economia está diretamente ligada à queda de 14,1% dos investimentos, chamados de formação bruta de capital fixo. É o maior recuo desde 1996, quando tem início a atual série histórica do IBGE. Segundo o instituto, os aportes despencaram no ano passado devido à queda da produção interna e da importação de bens de capital, com destaque para o desempenho negativo do setor de construção. Em 2014, os investimentos já haviam registrado queda de 4,5%.

A taxa de investimento fechou 2015 em 18,2% do PIB, abaixo do observado no ano anterior (20,2%). Já a taxa de poupança foi de 14,4%, ante 16,2% no ano anterior.

Os analistas já estavam bastante pessimistas em relação ao resultado do PIB de 2015 e o número acabou ficando dentro do intervalo das estimativas. Segundo o AE Projeções, a expectativa era de queda entre 3,70% e 4%, com mediana de -3,9%. No ano passado, o PIB totalizou R$ 5,9 trilhões, enquanto o PIB per capita ficou em R$ 28.876, uma queda de 4,6% ante 2014.

Dentre os setores, apenas a agropecuária (1,8%) apresentou expansão em 2015 - mesmo assim, foi o pior desempenho do setor desde 2012. No ano passado, a soja registrou crescimento de 11,9% em seu volume produzido, enquanto o milho avançou 7,3%. "Essas culturas impulsionaram o crescimento. Por outro lado, culturas importantes tiveram queda na produção agropecuária, como café e laranja", disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

Já a indústria encolheu 6,2%, na maior queda da série histórica iniciada em 1996. Já o PIB de serviços, além de ter a maior queda da série, registrou o único resultado negativo para um ano desde então. No setor industrial, os recuos foram generalizados: construção sofreu contração de 7,6%, enquanto a indústria de transformação teve queda de 9,7%. 

O único destaque positivo na indústria foi o desempenho da extrativa mineral, que acumulou crescimento de 4,9%, devido à maior produção de minério e petróleo. A desvalorização do câmbio também contribuiu para elevar as exportações desses produtos. No ano passado, o dólar subiu quase 50% ante o real. Já dentre as atividades que compõem os serviços, o IBGE destaca que o comércio sofreu queda de 8,9%, seguido por transporte, armazenagem e correio, que recuou 6,5%.

Pelo lado da demanda, a queda de 4% do consumo das famílias em 2015 também foi a maior da série desde 1996, registrando o primeiro recuo desde 2003. Segundo o IBGE, a queda pode ser explicada pela deterioração dos indicadores de inflação, juros, crédito, emprego e renda ao longo de todo o ano de 2015. 

Como era o Brasil em 1990
Protásio Nene/Agência Estado
1990

A queda de 3,8% do PIB brasileiro em 2015 foi a pior em 25 anos. A última vez em que o País teve uma retração tão acentuada foi em 1990, quando a economia brasileira regrediu 4,3%. Relembre como era o País naquele ano.

"Essa queda se deve a diversos fatores. Houve deterioração dos indicadores de emprego e renda, e houve crescimento do saldo nominal de crédito, mas em termos reais na verdade houve uma queda", disse Rebeca, do IBGE. Já o consumo do governo caiu 1% - também desacelerando em relação a 2014, quando cresceu 1,2%.

No setor externo, por sua vez, as exportações de bens e serviços cresceram 6,1%, enquanto as importações de bens e serviços tiveram queda de 14,3%. Entre os produtos e serviços da pauta de exportações, os maiores aumentos foram observados em petróleo, soja, produtos siderúrgicos e minério de ferro. Já entre as importações, as maiores quedas foram observadas em máquinas e equipamentos, automóveis, petróleo e derivados, bem como os serviços de transportes e viagens.

(Com informações de Daniela Amorim, Idiana Tomazelli, Mariana Sallowicz e Vinicius Neder)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX