1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

PIB do Estado de São Paulo caiu 4,1% em 2015, com recuo de 9,0% na indústria

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 12h 05

Números também apontam retração de 2,1% no setor de serviços devido à alta de inflação e restrição do crédito

Por ser o Estado com maior participação da indústria, São Paulo é o mais afetado pela crise

Por ser o Estado com maior participação da indústria, São Paulo é o mais afetado pela crise

SÃO PAULO - A economia do Estado de São Paulo encolheu 4,1% em 2015, puxada pelo tombo de 9,0% da indústria, que não teve a tendência de queda revertida pela forte desvalorização do câmbio ao longo do ano passado. 

Os números fazem parte do Produto Interno Bruto (PIB) Paulista, calculado pela Fundação Seade, e apontam ainda para a retração de 2,1% no setor de serviços, em decorrência da alta da inflação e da enxugamento do crédito. Entre os três setores da atividade, apenas a agropecuária cresceu, com alta de 5,5% na comparação com 2014.

A Fundação Seade destaca que por ser o Estado brasileiro com maior participação da indústria, São Paulo tem sido mais afetado pela crise econômica desde 2014. Em 2015, as condições macroeconômicas adversas, com inflação elevada e crédito escasso, passaram a comprometer o desempenho do setor de serviços.

Na comparação dos dados de dezembro de 2015 com o mesmo mês do ano anterior, o PIB Paulista recuou 7,7%, influenciado por quedas na indústria (-12,0%), serviços (-3,4%) e agropecuária (-0,6%). Na passagem de novembro para dezembro, na série sem os efeitos sazonais, a atividade econômica no Estado caiu 1,3%, com declínios de 0,2% segmentos industrial e de serviços e incremento de 2,9% no atividade no campo.

Entre o terceiro e o quarto trimestres do ano passado, a economia de São Paulo caiu 1,7%, com desempenhos negativos da agropecuária (-3,3%), da indústria (-2,6%) e dos serviços (-0,7%). 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX