PIB recuou 0,99% no 3º trimestre, estima FGV

Pelos números da pesquisa Monitor do PIB, economia registrou a sétima queda trimestral consecutiva; número oficial do IBGE sai no dia 30

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2016 | 21h47

RIO - A economia brasileira seguiu afundando no terceiro trimestre, de acordo com os dados da pesquisa Monitor do PIB, indicador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Nas estimativas da FGV, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro encolheu 0,99% no terceiro trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior.

É o sétimo recuo registrado no Monitor do PIB nesse tipo de comparação. Em relação ao terceiro trimestre do ano passado, o PIB diminuiu 3%, mostrando que a recessão ainda não terminou. No segundo trimestre, a queda tinha sido de 3,4%.

O indicador da FGV tem como objetivo antecipar a tendência da atividade econômica, com base nas mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial. O órgão divulgará o resultado do PIB do terceiro trimestre no próximo dia 30.

“Esses resultados mostram uma resistência à recuperação da economia maior do que a previamente esperada”, diz a nota divulgada pela FGV junto com os dados do Monitor do PIB.

Os pesquisadores da FGV também incorporaram nos seus cálculos a divulgação do PIB definitivo de 2014. Na quinta-feira, o IBGE informou que a economia cresceu 0,5% naquele ano, e não 0,1%, como inicialmente divulgado. A revisão se dá porque o instituto passa a registrar as Contas Nacionais Anuais. A estimativa anterior tinha como base as Contas Nacionais Trimestrais.

Assim, o Monitor do PIB estima que o PIB de 2015 encolheu 3,5% e, não 3,8%, como inicialmente calculado. Na próxima divulgação do PIB, o IBGE informará se houve revisões nos dados a partir de 2015.

Mais conteúdo sobre:
FGV Pib Ibge

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.