PMDB fecha questão a favor da reforma da Previdência

PMDB fecha questão a favor da reforma da Previdência

Expectativa do governo é de que outras legendas da base sigam exemplo do PMDB; não há previsão de punição para membros do partido que descumpram orientação

Igor Gadelha, com colaboração de Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 16h58

BRASÍLIA - Partido com a maior bancada da Câmara, o PMDB anunciou nesta quarta-feira, 6, que fechou questão para tentar obrigar seus 60 deputados a votarem a favor da reforma da Previdência. Com a decisão da legenda do presidente Michel Temer, a expectativa do governo é de que outras siglas da base aliada sigam o exemplo e também fechem questão a favor da matéria nos próximos dias.

+++ Sem reforma da Previdência, haverá aumento de imposto e Bolsa Família não será pago, diz Maia

Não há, no entanto, previsão de punição para deputados que não seguirem a decisão do partido, informou há pouco o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência. “Se tivesse punição prevista, você estava ameaçando o companheiro”, declarou o ministro após deixar a reunião da executiva.

+++ Relator da reforma diz que governo tem entre 290 e 310 votos a favor da Previdência

Também presentes na reunião, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) e o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) disseram que apenas três integrantes da executiva se posicionaram contra o fechamento de questão. Foram eles: os deputados federais João Arruda (PR) e Mauro Mariane (SC) e o vice-governador de Pernambuco, Raul Henry

+++ Reforma da Previdência: como devemos fazer? Como queremos viver?    

O fechamento de questão é uma decisão tomada pela maioria da executiva nacional de um partido. Quando isso acontece, parlamentares que votarem de forma diferente ao que determinou a direção da legenda podem ser punidos até mesmo com a expulsão. Há também o fechamento simbólico feito pelas bancadas no Congresso. Nesse caso, porém, não costuma haver punição.

A expectativa de integrantes da cúpula do PMDB é de que de 10 a 15 deputados do partido desobedeçam a direção e votem contra a reforma. Um deles é Fábio Ramalho (PMDB-MG), 1º vice-presidente da Câmara. "Vou votar de acordo com a minha consciência. Não fui eleito para fechar questão. Não aceito forca no meu pescoço", declarou o peemedebista mais cedo. 

O PMDB foi o segundo partido a anunciar fechamento de questão. Com uma bancada de 16 deputados, o PTB anunciou mais cedo que obrigará seus parlamentares a votarem a favor da reforma. Na decisão, assinada pelo presidente nacional da legenda, o ex-deputado Roberto Jefferson (RJ), o partido não deixa claro qual será a punição aos deputados que desobedecerem a decisão. 

O governo espera que a posição do PMDB inspire outros partidos a fecharem questão, entre eles, PP e PRB. Ontem, a executiva nacional do PRB chegou a se reunir para deliberar sobre o assunto, mas, no fim, decidiu só bater o martelo após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcar a data da votação. O PP também informou que só tomará decisão depois de definida a votação. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.