1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Pré-sal é viável mesmo com barril de petróleo a US$ 30, diz Bendine

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 13h 32

Presidente da Petrobrás garante que exploração do pré-sal permanece como prioridade: 'extremamente competitivo'

O presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, em coletiva de imprensa

O presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, em coletiva de imprensa

RIO - O presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, garantiu durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira que o desenvolvimento do pré-sal é viável mesmo com o preço do barril de petróleo cotado a US$ 30. "O pré-sal continua extremamente competitivo", frisou o executivo.

Segundo Bendine, o pré-sal permanece como foco prioritário na companhia devido ao seu custo-benefício. "É um dos grandes diferenciais da Petrobrás, pelo seu custo de produção de US$ 8", afirmou.

Em relação ao petróleo já em exploração, o executivo disse que a estatal trabalha para conviver com o preço do barril a US$ 30. Bendine admite que o atual cenário é "desafiador", mas enxerga que o período é de volatilidade e "cabe à companhia se preparar para a situação de estresse".

Reestruturação. As declarações de Bendine aconteceram em meio à apresentação do novo modelo de gestão da Petrobrás, anunciado nesta quinta-feira e antecipado pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, na quarta. A mudança na organização administrativa da estatal deverá gerar maior valor aos acionistas, a partir da redução de custos e mudanças nos procedimentos de contratação e análise de riscos. 

Para isso, a empresa vai incorporar a diretoria de Gás e Energia à de Abastecimento e também reduzirá 30% do total de funções gerenciais na Petrobrás e sua subsidiárias. Para chegar ao atual modelo, houve consultoria externa para pesquisar modelos de referência no segmento de energia, além de discussões internas em grupos de trabalho para avaliar a transição, que deverá durar até dois meses, sendo concluída em março com a realocação de funcionários e gerências. 

Lava Jato. As mudanças na estrutura de administração e na governança da Petrobrás são uma "resposta" à crise desencadeada pela Operação Lava Jato na companhia, segundo Bendine. O presidente da estatal afirmou que o novo modelo de contratação, que prevê avaliação de conformidade e integridade dos executivos, servirá para privilegiar a competência em detrimento a indicações políticas para o comando da empresa.

"Não convivi e não convivo com indicação política na empresa", afirmou o executivo durante a coletiva de imprensa na sede da empresa, no Rio. Segundo Bendine, as indicações agora passam por avaliação do conselho de administração, que aprovará ou não os nomes de diretores e gerentes executivos a partir de avaliação de integridade e de competência técnica.

"Meritocracia é a palavra que define, desde 2015, os nossos processos e que prevalecerá em toda a companhia", completou. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX