Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Precisamos aprovar a reforma da Previdência, apela Temer

Segundo o peemedebista, a aprovação necessita do apoio de todos os segmentos, já que os deputados estão receosos de enfrentar o tema às vésperas do ano eleitoral

Francisco Carlos de Assis e Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 12h36

Em encontro com empresários da indústria química nesta sexta-feira, 8, o presidente Michel Temer condicionou a discussão da reforma tributária - uma reivindicação de longa data do setor - à aprovação da reforma da Previdência, que pode vir a entrar em pauta nos dias 18 e 19 de dezembro. Segundo o peemedebista, a aprovação da matéria necessita do apoio de todos os segmentos, já que os deputados estão receosos de enfrentar o tema às vésperas do ano eleitoral.

+ Veja o Placar da Previência feito pelo Estado

Em seu discurso na abertura do 22º Encontro Nacional da Indústria Química, na capital paulista, Temer fez um apelo aos executivos e empresários. "Faço aqui um apelo aos senhores: precisamos aprovar a reforma previdenciária. Estamos em uma fase pré-eleitoral e muito legitimamente os deputados têm preocupação em votar esse tema delicado", disse o presidente.

+ Dúvidas sobre a Previdência? Participe do fórum do 'Estado'

ENTENDA: O vaivém da reforma da Previdência

Temer criticou a forma como os críticos do projeto estão levando o debate. "Não é verdade que a reforma vai prejudicar os trabalhadores, porque 64% deles ganham entre 1,5 e 2 salários mínimos. Não vamos tirar aposentadoria de ninguém. Fala-se de um limite de idade muito alto, mas somente em 2038 a idade mínima vai chegar a 65 anos", argumentou, acrescentando que o novo texto da reforma não vai mais afetar os trabalhadores rurais, idosos pobres, deficientes ou aqueles que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC). "Quem combate a reforma da Previdência precisa dizer que é a favor da manutenção dos privilégios."

+ Meirelles reconhece que governo ainda não tem votos suficientes para aprovar a Previdência

O presidente pediu que os presentes organizassem uma "força-tarefa" para convencer os deputados e argumentou que, após a aprovação da reforma previdenciária, poderia passar ao tema da "simplificação tributária", como prefere tratar o tema. "Este não é trabalho só do presidente ou do governo, mas de todos", afirmou.

+ Câmara vai votar reforma da Previdência no dia 18 de dezembro

"Vamos aproveitar que hoje o clima está favorável, a imprensa está a favor", apelou. "Feita a reforma previdenciária, na sequência temos a simplificação tributária e aí teremos entregue o país arrumado, colocado nos trilhos", disse.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.