1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Preço alto para o Copom

- Atualizado: 17 Janeiro 2016 | 02h 02

SUELY

CALDAS

Foram muitas as desastradas interferências do governo na economia no primeiro mandato de Dilma Rousseff. Deu tudo errado e hoje o desemprego e a inflação aceleram, a recessão assombra e a população vive assustada com o futuro. Mas, de todas as incompetentes ingerências de dona Dilma, duas foram as piores pelo poder de espalhar estragos por toda a economia: no Banco Central (BC) e na Petrobrás. Resultado: a inflação disparou e fechou 2015 em 10,67% e a Petrobrás não para de encolher, tenta vender ativos para sobreviver, corta investimentos, virou antro de corrupção e meio poderoso e corriqueiro para financiar políticos desonestos.

"O cinismo venceu a esperança e, agora, o escárnio venceu o cinismo", afirmou a ministra Cármen Lucia, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao lembrar o slogan "a esperança venceu o medo", usado pelo PT na campanha eleitoral de Lula em 2002. No caso da Petrobrás, a humilhação venceu a pujança na maior empresa do País, a desbravadora na exploração de óleo em águas profundas, a irradiadora de riqueza e empregos País afora, a que já foi orgulho dos brasileiros e hoje é humilhada com tanta roubalheira, empobrecimento, desinvestimentos e fomentadora de desemprego.

Na carta pública em que explica por que a inflação quase triplicou a meta de 4,5% em 2015, o Banco Central dividiu o fracasso com o governo: o desequilíbrio fiscal, a alta do câmbio disseminada na economia e o realinhamento das tarifas públicas - para o BC, os maiores responsáveis pela disparada da inflação - são efeitos da má gestão de Dilma e de suas desastradas interferências onde o governo deveria manter longa distância. Por exemplo, ela manteve represadas as tarifas de combustível e de energia elétrica na marra e por muito tempo, e, quando a realidade a obrigou a corrigir o erro, o estrago estava feito e o reajuste espalhou inflação por toda a economia. As isenções de impostos às indústrias automotiva e eletroeletrônica pouco dinamizaram o consumo, derrubaram a receita tributária e, quando retiradas, provocaram enorme desemprego nesses setores.

Por temer abrir mão de poder, os governos têm se negado a formalizar em lei a autonomia do Banco Central, argumentando que ela já existe na prática. Lula pouco interferiu no BC e Henrique Meirelles fez o que precisava ser feito. Mas com Dilma foi diferente. Sua vocação para centralizar comando e fabricar decisões erradas se refletiu no BC, ao arrancar-lhe a liberdade para definir a taxa de juros, principal arma da direção do banco para controlar a inflação. Além, é claro, de Dilma dar munição para especuladores agirem no mercado usando as incertezas com a taxa Selic e subtraindo valor de análises sérias, baseadas em critérios técnicos, não políticos nem voluntaristas da presidente.

Na terça-feira o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne para definir a Selic. A maioria dos analistas aposta em aumento de 0,5%, o que elevaria a taxa para 14,75%. E por que subir a Selic com o País vivendo recessão tão violenta de quase 4%? Na lógica da ciência econômica, em momentos de queda acentuada do PIB e desemprego em alta, BCs do mundo inteiro reduzem, e não aumentam, juros, pois a prioridade é reaquecer a economia. Por que aqui a lógica não se aplica? É certo que a inflação beirando 11% impede uma queda da taxa abaixo disso, mas no nosso caso e neste momento o BC entende que a interrupção da alta na taxa pode agravar o descrédito quanto à sua autonomia, que cresceu com as interferências de Dilma nos últimos anos. E agora é preciso aplicar uma superdose para recuperar a confiança. Mas será que recuperar a credibilidade no BC exige custo tão alto para os brasileiros?

Se a própria direção do BC reconhece que o aumento de 0,5% na Selic vai dificultar o superávit primário de 0,5% do PIB projetado para 2016 e elevar a dívida pública a um nível arriscado, que ameace fechar o crédito externo para o Brasil, por que aumentar a Selic neste momento? Com a autonomia assegurada em lei, a credibilidade do BC é preservada e as interferências de Dilma, contidas.

JORNALISTA E PROFESSORA DA PUC-RIO E-MAIL: SUCALDAS@TERRA.COM.BR

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX