1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Prédio espelhado vira ‘fritadeira’ e derrete carros em Londres

Economia & Negócios

03 Setembro 2013 | 12h 18

Arquitetura criativa da torre de 37 andares na City londrina virou lente de aumento gigante

LONDRES - Os arquitetos adoram inventar moda e criar novas formas para chamar a atenção e tornar os ambientes mais criativos, agradáveis e ecológicos. Mas às vezes erram na mão e acabam criando problemas.

Em Londres, os arquitetos acharam que haviam pensado em tudo quando criaram a torre de vidro na City, o centro financeiro no coração da cidade.

O arranha-céu de 37 andares tem espelhos em curva na parte superior para dar um ar grandioso à área de convivência na cobertura - a qual será aberta ao público em maio, quando o prédio ficará pronto.

A construção iniciada em 2011 tem central de aquecimento ecológico, elevadores super rápidos, jardim no terraço e uma vista espetacular de Londres.

O prédio chamado oficialmente de 20 Fenchurch Street ganhou o apelido de 'walkie-talkie', pelo seu formato que lembra um segurança fortão de ombros largos.

O detalhe que estragou o projeto grandioso foi que as paredes espelhadas em formato convexo se transformaram em uma grande lente que captura o calor do Sol e reflete a luz de forma concentrada para o chão como se fosse uma lente.

Raio mortal. O resultado é que o prédio passou a derreter o asfalto, selins de bicicleta e até os automóveis estacionados nas imediações. O assunto virou notícia depois que um carro de luxo apareceu deformado.

"Eu voltei para o carro e vi uma senhora que estava fotografando", disse Martin Lindsay, infeliz proprietário de um Jaguar atingido pelo que o jornal Times chamou de "um raio mortal de luz". O jornal italiano Corriere Della Sera chamou o prédio de 'fritadeira'.

O espelho retrovisor e outras partes do carro estavam derretidas ou deformadas. "Uma cena absurda", disse o proprietário. "É perigoso, eles devem fazer algo, e rápido. Pense sobre o que poderia acontecer a uma pessoa que estivesse distraída lá embaixo, tirando uma soneca".

As empresas Land Securities e Canary Wharf, responsáveis pela construção, garantiram que vão indenizar os estragos e que estão estudando uma solução para o problema. A Câmara Municipal interditou o estacionamento e promete providências para evitar novos acidentes.