1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Presidente da Shell no Brasil diz que incerteza barra investimentos

- Atualizado: 11 Março 2016 | 15h 55

Apesar do cenário, executivo afirmou que a petroleira vai ampliar a produção no País e abrir oito novos poços na Bacia de Campos

RIO - O presidente da Shell no Brasil, André Araújo, afirmou que a empresa tem interesse em continuar investindo no País, mas "não no ambiente atual de incerteza". A Shell aposta na mudança do marco regulatório do setor, que deve culminar na abertura da operação de blocos do pré-sal para todas as petroleiras, e não apenas à Petrobrás, como é previsto em lei.

A perspectiva das petroleiras multinacionais, incluindo a Shell, é que a mudança da legislação para permitir o acesso do pré-sal a qualquer petroleira seja aprovada também na Câmara dos Deputados, após já ter passado no Senado.

"Apesar dos desafios da indústria, do preço do barril, o objetivo é continuar investindo no País, que tem reservas importantes", disse o presidente da Shell. Ele participou nesta terça-feira, 8, do evento "UK Energy in Brazil 2016", promovido pelo governo britânico. 

Produção. A Shell vai ampliar a produção no País com novas perfurações no Parque das Conchas (BC-10), na Bacia de Campos. A previsão é iniciar a produção em sete poços para elevar entre 25 mil e 27 mil barris diários a produção. Desses sete poços, cinco são produtores e dois injetores de água. 

Segundo Araújo, as perfurações já foram iniciadas e o primeiro óleo deve sair nos "próximos dias". A área é operada pela Shell, que também detém 50% do consórcio formado pelas empresas ONGC (25%) e QPI (25%).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX