Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Presidente do BNDES diz que 'o banco tem feito milhares de campeões nacionais'

Paulo Rabello de Castro afirmou que, daqui para frente, a intenção é capilarizar o apoio financeiro para que chegue a 'empreendedores anônimos'

Fernanda Nunes e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2017 | 11h05

RIO - O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, chamou de cacoete a ideia de que o banco financie apenas empresas escolhidas como campeãs nacionais. Segundo ele, milhares de companhias foram financiadas ao longo dos 65 anos do BNDES e, daqui para frente, a intenção é "capilarizar" ainda mais o apoio financeiro. 

"O BNDES tornou campeãs inúmeras empresas. A ideia de campeões nacionais é um cacoete com o qual temos que lidar. Funding tem que ser cada vez mais conjugado à disponibilidade nacional e internacional. Tem que ser capilarizado para milhares de empreendedores anônimos", afirmou Rabello, ao abrir o evento de comemoração de aniversário do banco. 

Ele citou como exemplo de medida de capilarização e aproximação do investidor a iniciativa de lançar no próximo dia 26 um canal de disseminação de informações "para estabelecer contato íntimo com milhares de empreendedores anônimos". 

Em seu discurso, o presidente do BNDES ainda defendeu que o País ultrapasse a fase de estabilização econômica, iniciada com o plano Real, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e passe para o estágio de desenvolvimento. 

VEJA TAMBÉM: Associação de funcionários do BNDES lança site sobre polêmica envolvendo a instituição

"Estamos há 23 anos estabilizando. Precisamos trocar esse disco e passar para a etapa que realmente interessa, que é o desenvolvimento. Vamos procurar disseminar cada vez mais a palavra desenvolvimento para que esteja encruada nas cabeças dos empreendedores e de todos aqueles que querem que esse País vá para frente", disse Rabello. 

Mais conteúdo sobre:
BNDES Economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.