1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prévia da inflação acelera para 1,42% em fevereiro, a maior alta para o mês desde 2003

- Atualizado: 23 Fevereiro 2016 | 10h 02

Alimentação e Bebidas, Transportes e Educação pressionaram o IPCA-15 no período; índice acumula alta de 2,35% no ano e de 10,84% em 12 meses

Alimentos voltaram a pressionar a inflação em fevereiro

Alimentos voltaram a pressionar a inflação em fevereiro

RIO - Apesar da crise econômica, a alta de preços não deu trégua em fevereiro e a inflação voltou a acelerar. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 1,42% em fevereiro, após subir 0,92% em janeiro. Foi a maior alta para o mês desde 2003.

O resultado, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou acima das estimativas dos analistas, que esperavam inflação entre 0,95% e 1,41%, com mediana de 1,32%. Em fevereiro de 2015, o IPCA-15 havia subido 1,33%.

O IPCA-15 acumula aumento de 2,35% no ano e de 10,84%em 12 meses. Com apenas dois meses de resultado e a inflação já somando mais de um terço do teto da meta do governo (6,5%), o mercado já começa a prever um novo ano de estouro deste limite. No último Boletim Focus, analistas calcularam que a inflação deve encerrar 2016 em 7,62%. No caso do resultado em 12 meses (10,84%), é a maior alta desde novembro de 2003, quando foi de 12,69%

Seis entre nove grupos registraram aceleração no ritmo de aumento de preços na passagem de janeiro para fevereiro. Os grupos que mais impactaram a inflação foram Alimentação e Bebidas, com alta de 1,92% e impacto de 0,49 ponto porcentual, Transportes, com 1,65% de aumento e 0,30 p.p. de impacto, e Educação, com 5,91% de avanço e impacto de 0,27 p.p.. Juntos, foram responsáveis por 75% do IPCA-15, somando 1,06 p.p. de impacto. 

Segundo o IBGE, a alta no grupo Educação reflete os reajustes praticados no início do ano letivo, especialmente os aumentos nas mensalidades dos cursos regulares, que subiram 7,41%. O item teve o maior impacto individual no índice do mês, 0,21 p.p.

No caso dos alimentos, os destaques de alta foram a cenoura (24,26%), a cebola (14,16%), o tomate (14,11%), o alho (13,08%), a farinha de mandioca (12,20%) e as hortaliças (8,66%). As tarifas dos ônibus urbanos, com alta de 5,69%, foram o fator de pressão para o grupo Transportes. Isso porque neste começo de ano várias cidades reajustaram suas tarifas de transporte.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX