Estadão
Estadão

'Prévia do PIB' tem queda de 4,82% no ano e atinge o menor nível de atividade desde dezembro de 2009

Queda do IBC-Br, calculado pelo BC, em outubro foi de 132,31 pontos, baixa de 0,48%; o resultado de outubro deste ano só não foi pior que o índice de 131,24 pontos visto em dezembro de 2009

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2016 | 09h03

BRASÍLIA - Após ceder 0,08% em setembro (dado já revisado), a economia brasileira registrou novo recuo em outubro. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) do mês teve baixa de 0,48% ante setembro, com ajuste sazonal. O índice de atividade calculado pelo BC passou de 132,95 pontos para 132,31 pontos na série dessazonalizada de setembro para outubro. 

A economia brasileira registrou em outubro o menor nível de atividade desde dezembro de 2009. O resultado de outubro deste ano só não foi pior que o índice de 131,24 pontos visto em dezembro de 2009. Naquela época, porém, o IBC-Br ainda sofria efeitos da crise financeira global que havia estourado no fim de 2008, com a queda do banco norte-americano Lehman Brothers. 

 

Agora, o recuo do IBC-Br insere-se no contexto da forte crise doméstica, com o governo em dificuldades para promover a retomada da atividade. Ainda hoje, o próprio governo vai anunciar um pacote com medidas microeconômicas, numa tentativa de dar impulso à atividade. 

A queda do IBC-Br ficou dentro do intervalo obtido entre analistas do mercado financeiro consultados pelo Broadcast Projeções, que esperavam resultado entre -0,40% e -1,50% (mediana de -0,60%). 

No acumulado deste ano, a retração é de 4,82% pela série sem ajustes sazonais. Também pela série observada, é possível identificar um recuo de 5,09% nos 12 meses encerrados em outubro.

Na comparação entre os meses de outubro de 2016 e 2015, houve queda de 5,28% também na série sem ajustes sazonais. A série observada encerrou com o IBC-Br em 132,77 pontos, ante 133,52 pontos de setembro e 140,17 pontos de outubro do ano passado. O indicador de outubro de 2016 ante o mesmo mês de 2015 mostrou desempenho melhor que o apontado pela mediana (-5,50%) das previsões de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Broadcast Projeções (-4,58% a -7,20% de intervalo).

Em janeiro, o Banco Central promoveu uma revisão na apuração do IBC-Br para incorporar a estrutura de produtos e avanços metodológicos do Sistema de Contas Nacional, entre outros indicadores. Conhecido como "prévia do BC para o PIB", o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. 

A previsão oficial do BC para a atividade doméstica deste ano é de queda de -3,3%, de acordo com o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) publicado no fim de setembro. No Relatório de Mercado Focus da última segunda-feira, a mediana das estimativas do mercado para o Produto Interno Bruto (PIB) este ano estava em -3,48%. 

Mais conteúdo sobre:
Banco Central PIB Pib

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.