André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Previsão do mercado para a inflação volta a cair e PIB tem leve alta

Projeção para os juros se mantém a mesma da semana passada

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2017 | 08h37

BRASÍLIA - Já após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, na semana passada, os economistas do mercado financeiro reduziram suas projeções para o IPCA neste ano. O Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 5, pelo BC, mostra que a mediana para o IPCA - o índice oficial de inflação - em 2017 foi de 3,95% para 3,90%. Há um mês, estava em 4,01%. Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,40%, ante 4,39% de quatro semanas atrás.

Na prática, as projeções de mercado divulgadas no Focus indicam que a expectativa é de que a inflação fique abaixo do centro da meta, de 4,5%, em 2017 e 2018. A margem de tolerância para estes anos é de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 3,0% e 6,0%).

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu a Selic (a taxa básica de juros) em 1 ponto porcentual, de 11,25% para 10,25% ao ano. A decisão - considerada cautelosa pelo mercado - teve como principal justificativa as incertezas em torno do andamento das reformas trabalhista e previdenciária no Congresso. Ao mesmo tempo, o BC disse que o comportamento da inflação "permanece favorável". As projeções da instituição no cenário de mercado, com juros e câmbio variáveis, são de inflação de 4,0% para 2017 e de 4,6% para 2018.

Na semana, a previsão para a inflação voltou a subir após 11 quedas consecutivas.

RELEMBRE: Mercado reduz aposta em queda dos juros

Juros. Os economistas do mercado financeiro mantiveram suas projeções para a taxa básica no fim de 2017 e de 2018. O Relatório de Mercado Focus trouxe que a mediana das previsões para a Selic este ano seguiu em 8,50% ao ano. Há um mês, estava no mesmo patamar.

O relatório indicou ainda que a mediana das projeções dos economistas para a Selic no fim de 2018 permaneceu em 8,50% ao ano, também igual ao verificado um mês atrás.

A Selic média de 2017 seguiu em 10,28% ao ano. Há um mês, a mediana da taxa média projetada era de 10,25%. No caso de 2018, a Selic média seguiu em 8,50%, igual ao verificado há quatro semanas.

'Plano B' vai de corte de desonerações a alta de impostos e pode gerar R$ 260 bi

PIB. Na esteira da divulgação dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) na semana passada, os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a atividade em 2017 e 2018. 

A mediana para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano passou de 0,49% para 0,50%. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,47%.

Para 2018, o mercado também mudou a previsão de alta do PIB, só que para pior: de 2,48% para 2,40%. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,50%.

Câmbio. A projeção para a cotação da moeda americana no fim de 2017 passou de R$ 3,25 para R$ 3,30. Há um mês, estava em R$ 3,23. O câmbio médio de 2017 passou de R$ 3,19 para R$ 3,22, ante R$ 3,18 de um mês antes.

No caso de 2018, a projeção para o câmbio no fim do ano foi de R$ 3,37 para R$ 3,40. Quatro semanas antes, estava nos mesmos R$ 3,40. Já a projeção para o câmbio médio no próximo ano foi de R$ 3,33 para R$ 3,35, ante R$ 3,34 de quatro semanas atrás.

Mais conteúdo sobre:
Banco Central PIB IPCA Selic

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.