Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

'Privatização da Eletrobras ameaça segurança energética', diz Dilma

Para ex-presidente, venda coloca em risco suprimento de energia elétrica do País e pode resultar em 'uma conta de luz estratosférica'

REUTERS

22 Agosto 2017 | 12h21

A ex-presidente Dilma Rousseff fez duras críticas à proposta do ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, de privatizar a Eletrobras e disse que a medida pode ameaçar o suprimento de energia elétrica do País e resultar em "uma conta de luz estratosférica" para os brasileiros.

"Vender a Eletrobras é abrir mão da segurança energética. Como ocorreu em 2001, no governo FHC (Fernando Henrique Cardoso), significa deixar o País sujeito a apagões", escreveu a ex-presidente em seu perfil no Twitter.

"O resultado é um só: o consumidor vai pagar uma conta de luz estratosférica por uma energia que não terá fornecimento garantido", atacou, contradizendo Coelho Filho, que afirmou que a venda da estatal pode resultar em uma conta de luz mais barata.

:::LEIA MAIS:::

Conta de luz deve ficar mais barata com venda da Eletrobrás, diz ministro

Funcionários da Eletrobrás criticam intenção do governo em privatizar empresa

Para reforçar o caixa, governo propõe a privatização da Eletrobrás

Governo está trabalhando no modelo de venda da Eletrobrás, diz Meirelles

A ex-presidente, que foi afastada após um processo de impeachment no ano passado, foi ministra de Minas e Energia no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando comandou uma reformulação nas regras do setor elétrico que fortaleceu a Eletrobras e o poder do Estado sobre o segmento.

Em 2012, quando já era presidente, Dilma conduziu uma nova mudança nas regras do setor, com o objetivo de reduzir as tarifas de eletricidade para impulsionar a indústria e o consumo. Mas as medidas resultaram em perdas bilionárias para a Eletrobras, que só voltou a ter lucro no ano passado, além de terem gerado fortes aumentos nas contas de luz nos últimos anos.

Os problemas financeiros enfrentados pela Eletrobras após a redução tarifária anunciada em 2012 são agora um dos principais argumentos utilizados pelo governo do presidente Michel Temer para propor a redução da fatia da União na companhia.

 

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff Eletrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.