1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Processo de venda da Braskem é retomado pela Petrobrás

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 21h 26

Negócio foi decidido no ano passado, mas esbarrava no contrato de fornecimento de nafta entre a petroquímica e a estatal; complexo em construção da Braskem também travava a transação

A Petrobrás deve iniciar nos próximos 15 dias o processo formal da venda de sua participação na Braskem, controlada pela estatal em conjunto com a Odebrecht, segundo fontes. O negócio foi decidido no ano passado – e foi antecipado pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, em abril –, mas esbarrava em duas questões para deslanchar.

Em primeiro lugar, havia um impasse entre Braskem e Petrobrás em relação ao novo contrato de longo prazo para o fornecimento de nafta, matéria-prima da petroquímica. Essa questão foi resolvida no final de dezembro. Além disso, o complexo em construção pela Braskem com a parceria da Idesa, no México, previsto para 2015, entrou em fase de testes e deve iniciar operações comerciais no decorrer das próximas semanas.

Após anos de discussões sobre fornecimento de nafta, Braskem e Petrobrás chegaram a um acordo em dezembro de 2015

Após anos de discussões sobre fornecimento de nafta, Braskem e Petrobrás chegaram a um acordo em dezembro de 2015

A cifra que a Petrobrás deve embolsar com a venda de sua fatia de 36% ainda não está fechada, mas, segundo fontes, deve corresponder ao valor de mercado mais um prêmio de controle, que dependerá do processo de concorrência. Quando a venda foi decidida, falava-se no mercado em um prêmio de 30%. De lá para cá, porém, as ações da Braskem, até então impactadas pelos desdobramentos das investigações da Polícia Federal na Operação Lava Jato, se recuperaram. Hoje, a fatia da Petrobrás na Braskem corresponde a R$ 5,4 bilhões. Naquele momento, essa participação estava avaliada em R$ 2,8 bilhões.

Embora ainda não tenha oficializado a negociação de sua fatia na Braskem, a Petrobrás já teria recebido manifestação de interessados, tanto de empresas do segmento como de investidores no País e no exterior. Mas não há prazo para que um eventual negócio seja fechado.

A candidata natural a assumir a participação da estatal seria a sócia Odebrecht, que tem 38% da Braskem, mas o conglomerado enfrenta um momento particular desde a prisão de Marcelo Odebrecht e, por isso, não deve fazer uma oferta pela fatia.

Procuradas, Braskem e Petrobrás não se posicionaram sobre o assunto. A Odebrecht disse que tomou conhecimento sobre a intenção da Petrobrás pela imprensa, e salientou que vai “acompanhar o desdobramento do assunto”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX