1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Produção industrial despenca 12,4%, a maior queda para novembro desde 2003

- Atualizado: 07 Janeiro 2016 | 11h 54

Recuo é o 21º seguido e foi registrado na comparação com o mesmo mês do ano anterior; em 2015, queda acumulada é de 8,1%

Atualizado às 11h43

RIO - A produção industrial caiu 12,4% em novembro de 2015, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, de acordo com estudo divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já é a 21ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação, e a mais acentuada desde abril de 2009, quando a indústria teve queda de 14,1%. Se for considerar apenas os meses de novembro, esse foi o pior desempenho da série, iniciada em 2003.

Em relação a outubro, na série com ajuste sazonal, a indústria apresentou queda de 2,4%, resultado pior do que o esperado por 30 analistas consultados pelo AE Projeções, que esperavam desde queda de 1,83% a avanço de 0,80%, com mediana de negativa em 0,90%. Essa queda foi a sexta consecutiva, uma sequência inédita na pesquisa iniciada em 2002. "Nunca se tinha visto uma sequência tão grande", disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

No ano, a produção industrial acumula queda de 8,1% até novembro, o pior resultado para o período desde 2009, quando houve queda de 9%.

A maior influência negativa na comparação entre novembro de 2015 e novembro de 2014 veio de veículos automotores, reboques e carrocerias, que apresentaram queda de 35,3%. A baixa se deu pela redução na produção de automóveis, caminhões, caminhão-trator para reboques e semirreboques, veículos para transporte de mercadorias, reboques e semirreboques, carrocerias para ônibus e caminhões e autopeças.

Queda na produção de automóveis influenciou resultado ruim da indústria em novembro de 2015 ante o mesmo mesmo no ano anterior

Queda na produção de automóveis influenciou resultado ruim da indústria em novembro de 2015 ante o mesmo mesmo no ano anterior

Atividades. Segundo o IBGE, 14 das 24 atividades analisadas tiveram queda de outubro para novembro de 2015. A maior pressão veio da indústria extrativa, cuja atividade recuou 10,9% no período, apontou o órgão.

"O setor extrativo foi afetado pela greve de petroleiros, e numa escala bem maior, pelo desastre em Mariana. O acidente afetou a produção de minério de ferro, tanto bruto quanto pelotizado, e traz impacto bastante significativo", afirmou Macedo.

O segundo maior impacto negativo veio da produção de derivados de petróleo e biocombustíveis, que recuou 7,8% em novembro ante outubro. Segundo o IBGE, esse setor também foi impactado pela greve dos petroleiros.

Também tiveram recuos significativos as atividades de produtos alimentícios (-2,2%), minerais não metálicos (-3,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e óticos (-6,0%) e farmacêutica (-3,9%).

Alta. No sentido contrário, a alta de 1,3% na produção de veículos em novembro ante outubro foi destaque. Porém, o número não causa entusiasmo, uma vez que não compensa sequer a perda vista em outubro ante setembro, quando houve queda de 3,1%, ressaltou Macedo. Além disso, o setor já vinha em retração desde agosto, período em que acumulou perda de 19,2% e os principais produtos continuam no vermelho. "Automóveis e caminhões mostram queda na passagem de outubro para novembro. A alta é mais relacionada à parte de autopeças", disse Macedo.

"Muito desse resultado positivo se deve claramente a uma base de comparação muito depreciada. O setor ainda mantém estoques acima de seu padrão habitual e, por isso, apresenta redução de jornadas de trabalho, cortes de turnos e adoção de lay-off (suspensão temporária de contratos)", acrescentou.

A atividade de metalurgia também teve melhora na passagem do mês, com alta de 1,4%. A produção de bebidas também subiu 1,4% no período.

Bens de capital. A produção  da indústria de bens de capital também despencou em novembro de 2015 na comparação com o mesmo mês do ano anterior, com queda de 31,2%. No acumulado do ano, a queda foi de 25,1% em relação ao mesmo período de 2014. Já no acumulado em 12 meses até novembro, o recuo é de 24,1%.

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de novembro foi de redução de 3,2% na produção ante outubro e de queda de 29,1% em relação a igual mês de 2014. Entre os semiduráveis e os não duráveis, a produção subiu 0,4% em novembro ante outubro e recuou 4,8% na comparação com novembro do ano passado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX