1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Projeção é de até 1,5 milhão de empregos a menos no ano

- Atualizado: 22 Março 2016 | 22h 11

Desemprego tem se aprofundado à medida que atividade econômica recua, apontam analistas

País perdeu 104,5 mil empregos com carteira assinada em fevereiro

País perdeu 104,5 mil empregos com carteira assinada em fevereiro

SÃO PAULO - A fraqueza da economia deverá fazer com que o quadro do emprego continue ruim ao longo deste ano. Nas previsões dos analistas, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deverá recuar cerca de 4% este ano.

O economista Luiz Fernando Castelli, da GO Associados, avaliou que o mercado de trabalho tende a demorar um pouco para reagir ao comportamento da economia e disse que, como a atividade não para de cair, o desemprego tem se aprofundado no País. “A tendência é de que o aumento do desemprego se acentue neste primeiro semestre, com uma estabilização da situação no segundo semestre”, afirma o economista. O economista da GO Associados estima que o ano de 2016 terá um corte de aproximadamente 1,5 milhão de postos de trabalho, praticamente o mesmo resultado de 2015. Castelli afirmou que os setores de serviços e comércio estão sentindo mais os efeitos da crise econômica em 2016, principalmente em razão da queda do consumo das famílias.

Na projeção do economista Fábio Romão, da LCA Consultores, a economia brasileira deverá fechar cerca de 1,250 milhão de vagas em 2016. “Neste ano, deve ocorre um fechamento menor de vagas porque a construção dá sinais de que grande parte do ajuste no emprego ocorreu no ano passado, e a indústria também tem algumas indicações de que deve fechar menos postos”, afirma Romão.

A expectativa do economista também é de que serviços e comércio tenham um desempenho não tão ruim como o observado em 2015 porque a renda deve cair menos em 2016. 

Com base nos dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), medida pelo IBGE, a renda real recuou 3,7% no ano passado e, nas projeções da LCA, deve cair 2,5% em 2016.

“A inflação vai continuar em 2016, mas será menor do que a de 2015, o que deve ajudar a renda a não cair tanto”, diz Romão. “Isso, de alguma maneira, pode contribuir, sobretudo ao longo da segunda metade deste ano, para que os setores de comércio e serviço não fechem tantos postos de trabalho”, afirma o economista. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX