1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Projeta-se mais um ano ruim para o comércio

Este ano começa mal para o comércio varejista, mesmo com muitos estabelecimentos trabalhando com estoques baixos, menos pessoal e margens de lucro mais apertadas em razão de promoções e descontos. Pesquisa do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (Ibevar) e do Programa de Administração do Varejo da Fundação Instituto de Administração (Provar/Fia) projeta uma queda real de pelo menos 1,5% das vendas do comércio no conceito ampliado (inclui veículos e materiais de construção) no primeiro trimestre de 2016 em comparação com igual período do ano passado.

A pesquisa apurou que o consumidor de São Paulo pretende gastar 33% menos com a compra de bens duráveis nos três primeiros meses deste ano do que gastou no mesmo período de 2015, apesar da inflação de 10,67% em um ano.

Seria arriscado estender a projeção para todo o ano, mas as perspectivas são notoriamente ruins, pois a previsão é que o PIB volte a cair, com repercussões sobre o emprego e a massa salarial, que deve continuar sendo corroída por uma inflação alta. O que pode haver, como ocorreu em 2015, são pequenos surtos de melhora em um mês em relação ao anterior por causa de eventos ou de aumentos esporádicos de rendimentos, como o pagamento do 13.º salário.

Foi o que ocorreu em novembro do ano passado. Segundo a mais recente pesquisa mensal do IBGE, houve crescimento de 1,5% nas vendas do comércio em geral naquele mês em relação a outubro, descontados os efeitos sazonais. O dado não chega a ser animador, pois as vendas em novembro, em comparação com o mesmo mês de 2014, diminuíram 7,8% no conceito restrito e 13,2% no conceito ampliado.

Foi a queda acentuada das vendas do comércio em outubro, baixando a base de comparação, que favoreceu o desempenho em novembro. De acordo com a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (FecomercioSP), as vendas do comércio varejista no Estado recuaram 10,2% em outubro, notando-se que o consumidor vem fazendo seu próprio ajuste doméstico, limitando suas compras a itens essenciais.

O fenômeno não se limita a São Paulo. O levantamento do IBGE mostra que, feita a comparação dos dados de novembro de 2015 com os do mesmo mês de 2014, o comércio varejista acusou variações negativas em 26 das 27 unidades da Federação. O único aumento de vendas (4%) verificou-se em Roraima.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX