1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Queda das vendas de veículos supera previsões

Montadoras e revendedoras de veículos já esperavam, no fim de 2015, novas quedas nas vendas deste ano, mas não superiores a 10%. Os números relativos aos emplacamentos de janeiro divulgados pela Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos (Fenabrave) mostraram um cenário pior que o previsto, com recuo das vendas de 30% em relação a janeiro de 2015 – quando o mercado já era desfavorável ao consumo.

O segmento de bens duráveis de consumo enfrenta grave crise, com destaque para os veículos. Mas a queda de vendas verificada no conjunto do setor mostra grandes variações quando se observam os vários subsetores de veículos. Entre janeiro de 2015 e janeiro de 2016, as vendas de automóveis, por exemplo, caíram 36,3%, enquanto as de veículos comerciais leves cederam 51,1%. Já as vendas de motos caíram 11,4% nas mesmas bases de comparação.

Não cabe comparar as vendas do mês passado com as de dezembro, sazonalmente um dos melhores meses do ano para a comercialização de veículos. De fato, em dezembro foram emplacadas quase 371 mil unidades, incluindo autos, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos, implementos rodoviários e outros, número que caiu para 260,2 mil no mês passado.

A produção e as vendas de veículos vêm caindo quase sem interrupção desde fins de 2013. A questão central é a velocidade da queda, pois, na hipótese de uma repetição, em 2016, dos maus resultados de 2015, o volume de vendas de autos de passeio e comerciais leves poderia retroagir a 2003, com vendas próximas de 2 milhões de unidades. No ano passado, os licenciamentos foram de 2,57 milhões de unidades, com declínio de 26,6% em relação aos 3,5 milhões de 2014.

As vendas de veículos dependem de emprego, renda e crédito, além de confiança do consumidor – e esses elementos são hoje escassos. O crédito é evitado pelos consumidores, ainda que as linhas para veículos se incluam entre as menos onerosas (em dezembro, o custo médio desses empréstimos foi de 33,8% ao ano, abaixo da média geral de 37,9% ao ano, onde estão incluídas as operações direcionadas). Em relação a cinco anos atrás, numa conjuntura em que as montadoras operavam intensamente, as novas concessões de crédito caíram mais de 50%.

Se não houver uma reação das vendas, o setor será obrigado a fazer um ajuste mais profundo. Não bastará apenas exportar mais, como já vem fazendo.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX