1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Queda do consumo de energia foi generalizada

Os indicadores do consumo de energia em 2015 divulgados pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) mostram queda de 2,1% em relação a 2014, só não atingindo o comércio, que consumiu 0,6% mais. A indústria foi a principal responsável pelo resultado negativo, com recuo de 5,3% em relação a 2014, mas também as famílias reduziram expressivamente o consumo – no caso, bem mais do que sugere a queda de 0,7% apontada pela EPE.

Houve enorme diferença entre essa queda do consumo geral e a queda por unidade residencial, de 3,2% – a mais acentuada desde 2002 –, o que se deve ao aumento do número de residências.

Decompondo os dados por áreas geográficas, nota-se que na Região Sul o consumo médio por residência diminuiu 6,8%, comparativamente a 2014; o da Região Sudeste declinou 4,3%; e o da Região Nordeste, 0,3%. O indicador teria sido pior não fosse o aumento no consumo de 0,2% na Região Centro-Oeste e de 2,3% na Região Norte. As maiores quedas ocorreram, portanto, nas regiões mais desenvolvidas.

A principal explicação para a queda do consumo doméstico está na alta substancial de tarifas, variável por área e que chegou a superar 70%. Em tempos de mais desemprego e queda da renda real, as famílias se impuseram um corte de consumo para permitir que as contas de luz caibam num orçamento mais apertado.

A recessão teve outra consequência sobre o mercado de energia: as famílias adquiriram menos eletrodomésticos, como geladeiras, liquidificadores, máquinas de lavar roupas, TVs e computadores.

O segmento energético é um dos que mais evidenciam a força do processo recessivo, pois historicamente, mesmo em períodos caracterizados pelo baixo ritmo de atividade econômica, o consumo de eletricidade cresce com o aumento da população e do número de novos lares.

Para as empresas de energia, o maior impacto decorre da demanda das indústrias, responsáveis por cerca da metade do consumo. A diminuição da atividade em segmentos como automotivo, siderúrgico e de máquinas e equipamentos, além do corte de investimentos na cadeia de produção de petróleo e gás, foram decisivos para os maus resultados, segundo o professor Nivalde de Castro, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mas, ainda que as tarifas venham a se estabilizar neste ano – o que não é certo –, a recuperação do consumo deverá ser lenta.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX