1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Reajuste de aposentadorias acima do mínimo terá custo de R$ 21,5 bi ao governo

- Atualizado: 12 Janeiro 2016 | 09h 30

Impacto nas contas públicas em 2016 é maior do que aumento das aposentadorias e pensões de um salário mínimo

BRASÍLIA - Os cerca de 10 milhões de aposentados, pensionistas e segurados do INSS que ganham acima do salário mínimo (R$ 788) terão reajuste de 11,28% este ano. O número ficou acima da inflação oficial (IPCA) do ano passado, de 10,67%, e elevará as despesas da Previdência Social em R$ 21,5 bilhões em 2016.

A correção, equivalente à variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2015, foi publicada ontem no Diário Oficial da União. A portaria do governo também estabeleceu que o teto da Previdência Social para 2016 é de R$ 5.189,82, superior ao de 2015, fixado em R$ 4.663,75. 

O gasto com o reajuste de quem ganha acima do salário mínimo para a Previdência Social será maior do que os R$ 19,6 bilhões de despesa a mais neste ano para dar o aumento de 11,68% para os mais de 22 milhões de segurados que ganham um salário mínimo por mês. Mensalmente, a Previdência desembolsa R$ 35,7 bilhões em benefícios. Esses reajustes agravam a situação já deficitária da Previdência Social, cujo rombo gira em torno de R$ 82,6 bilhões por ano, de acordo com os dados mais atuais. 

Os benefícios acima de um salário mínimo são corrigidos todo ano pelo INPC. No fim do ano passado, o Congresso manteve o veto da presidente Dilma Rousseff à proposta dos parlamentares que estendia a fórmula do salário mínimo (a variação da inflação mais o crescimento do PIB de dois anos antes) a todos os benefícios previdenciários, o que teria um forte impacto sobre as contas públicas. 

A diferença das duas correções neste ano não foi muito grande por causa do desempenho decepcionante do PIB nos últimos anos. Mesmo assim, o presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical, Carlos Ortiz, defende a mudança na forma como são calculados os benefícios com valores acima do salário mínimo para compensar o que chama de “achatamento” das aposentadorias. 

“Os aposentados são obrigados a continuar trabalhando para complementar a renda por causa do achatamento nos últimos anos”, afirma. Ele cita o próprio caso como exemplo: se aposentou em 1997 com 10 salários mínimos, e hoje o benefício que recebe da Previdência não chega a três salários mínimos. 

As centrais sindicais defendem a criação de um índice de inflação para medir o aumento dos preços dos itens mais consumidos pelos aposentados para corrigir os benefícios com valores acima de um salário mínimo. Pelos cálculos da Confederação Brasileira de Aposentados (Cobap), a diferença entre as correções de quem ganha o mínimo e os benefícios acima do piso já acumula, desde 1994, perda de mais de 80% para o segundo grupo. A distância ficou maior com a implementação da política de valorização do salário mínimo, a partir de janeiro de 2010, no segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. 

O governo estima que, em 2016, 17,5 mil segurados que ganhavam até o ano passado um pouco mais de um salário mínimo vão passar a receber o piso (R$ 880). 

Correção de valores. A portaria publicada ontem pelo governo também trouxe a atualização da tabela de contribuição dos trabalhadores empregados, domésticos e avulsos. A alíquota passa a ser de 8% para salários de contribuição de até R$ 1.556,94, de 9% para a faixa entre R$ 1.556,95 até R$ 2.594,92 e 11% de R$ 2.594,93 até R$ 5.189,82. A nova tabela começa a ser aplicada ao recolhimento, em fevereiro, dos encargos sobre o salário de janeiro. Para as obrigações relativas até o salário de dezembro, que são pagas em janeiro, ainda vale a tabela de 2015.

O governo também atualizou os valores da cota do salário-família, que será de R$ 41,37 para segurados com ganho de até R$ 806,79 e de R$ 29,16 para salários entre R$ 806,80 e R$ 1.212,64. Os valores de 2015 do salário família eram de R$ 37,18 e R$ 26,20 por dependente.

Já o valor mínimo pago pelo INSS das aposentadorias dos aeronautas e das pensões especiais pagas às vítimas da síndrome talidomida será de R$ 880. O mesmo piso vale para os benefícios da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) para idosos e portadores de deficiência, para a renda mensal vitalícia e para as pensões especiais pagas aos dependentes das vítimas de hemodiálise da cidade de Caruaru (PE). O benefício pago aos seringueiros e seus dependentes, com base na Lei n.º 7.986/89, terá valor de R$ 1.760,00. / COLABOROU LUCI RIBEIRO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX