1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Recuo do dólar deve ter fôlego curto

- Atualizado: 05 Março 2016 | 17h 05

Possibilidade de saída da presidente Dilma fez moeda americana deixar patamar de R$ 4, mas, para especialistas, retração dos últimos dias será passageira

A antecipação de uma eventual ruptura política capaz de derrubar o governo de Dilma Rousseff esteve por trás do movimento de queda do dólar observado na semana passada. Os especialistas avaliam que o recuo não tem fôlego para continuar no mesmo ritmo, mas também não esperam uma volta do dólar aos patamares mais altos. E começam a discutir os impactos de uma taxa de câmbio ligeiramente mais valorizada.

Uma das expectativas é de que o Banco Central atue para evitar perdas acentuadas da moeda norte-americana, o que seria possível com o desmonte do programa de swaps cambiais, por meio do qual tem se mantido a liquidez em moeda estrangeira no mercado. Isso preservaria o setor de comércio exterior, que tem mantido a melhor performance em meio à crise econômica. A cotação oficial da moeda norte-americana recuou 5,82% na última semana, passando de R$ 4 no dia 26 de fevereiro para R$ 3,77 na última sexta-feira.

“Como o BC pode deixar ocorrer essa volatilidade, quando taxa de juros em dólar é baixíssima, quase zero? Um exportador que não travou a taxa de câmbio nesses dois dias está frito”, afirmou o especialista em câmbio e sócio da Tendências Consultoria, Nathan Blanche.

Já o diretor de Pesquisa Econômica da GO Associados, Fábio Silveira, acredita que o dólar não vai voltar para R$ 3,50 e argumenta: “O Banco Central até deixa o câmbio flutuar, mas tem limite, pois o único setor que está minimamente bem é o externo”, disse. “O governo não vai comprar briga com o talvez último torcedor da arquibancada. Além disso, é só esperar a próxima reduzida de rating brasileiro para ver aonde o dólar vai parar”, completou.

 
 

O entrave para a atuação do Banco Central, no entanto, pode ser o alívio que a queda da moeda norte-americana pode trazer à inflação. O economista da Bozano Investimentos, Samuel Kinoshita, explica que, se mantida, a recente queda da moeda norte-americana em reação ao noticiário político reduz as expectativas inflacionárias e pode viabilizar um corte nos juros pelo Banco Central. Enquanto isso, os indicadores de confiança de empresas e famílias melhorariam e os investimentos poderiam voltar a crescer relativamente rápido.

Conjuntura. Para os especialistas, a questão conjuntural é a que mais pesa nas perdas recentes da moeda norte-americana. “A evolução recente do preço dos ativos embute o sinal da precificação de um novo cenário, com um governo capaz de encaminhar e aprovar medidas benéficas ao País, como aquelas que contribuem para a estabilização da trajetória da dívida e da modernização do setor público e da economia”, avaliou o economista e professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FEA-RP/USP) Alex Ferreira.

Ele concorda que o movimento recente do câmbio já precifica qualquer probabilidade de um novo governo tomar posse no Brasil e ainda acrescenta outra análise: “Qualquer fagulha de uma possível mudança no governo, com os índices baixos de aprovação da presidente Dilma, é refletida nos preços”, analisou o professor.

Na avaliação de um gerente de operações de um grande banco, “o mercado antecipa os fatos e, atualmente, a aposta é de que o governo se fragilizou muito com a delação de Delcídio (senador Delcídio Amaral) e a 24.ª fase da operação Lava Jato. A leitura é de que isso causa volatilidade, mas é positivo no médio prazo”.

 
 

Sinal. Ainda assim, Blanche, da Tendências, aponta que o movimento de desvalorização da moeda norte-americana é um “sinal emitido pelo mercado de que o câmbio estaria fora do lugar em caso de mudanças nas gestões econômica e política” do País.

Blanche atribui a desvalorização do dólar registrada nos últimos dias principalmente aos movimentos especulativos e ressalta que não há fôlego para recuos, na mesma magnitude, no curto prazo. “O dólar não vai cair mais. Esse movimento não é estrutural. São bancos e fundos cambiais fazendo posição de curto prazo”, afirmou Blanche. / COLABORARAM CRISTINA CANAS, MÁRIO BRAGA E ÁLVARO CAMPOS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX