1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Recursos para o PAC recuaram 22% em 2015

- Atualizado: 01 Março 2016 | 08h 03

Programa, que já foi a principal bandeira do governo federal, sofreu redução de R$ 10,4 bilhões nos desembolsos feitos pelo Tesouro no ano passado

O programa que já foi a principal bandeira do governo, comandado pela “mãe do PAC”, a presidente Dilma, teve seus aportes federais reduzidos em 22% em 2015

O programa que já foi a principal bandeira do governo, comandado pela “mãe do PAC”, a presidente Dilma, teve seus aportes federais reduzidos em 22% em 2015

BRASÍLIA - Com o aperto fiscal, os desembolsos do Tesouro Nacional com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) tiveram redução de R$ 10,4 bilhões, segundo o balanço divulgado ontem pelo Ministério do Planejamento. Os valores pagos em 2015 chegaram a R$ 47,3 bilhões, ante R$ 57,7 bilhões em 2014. 

A apresentação dos resultados do programa, ocasião que já mereceu cerimônias pomposas no Palácio do Planalto, limitou-se ontem à divulgação de nota oficial para a imprensa. Não por acaso. O programa que já foi a principal bandeira do governo, comandado pela “mãe do PAC”, a presidente Dilma, teve seus aportes federais reduzidos em 22% no ano passado.

No total, considerando os gastos da União e também os investimentos privados, das empresas estatais e os empréstimos habitacionais, o programa chegou a R$ 251,7 bilhões. Desses, R$ 99,9 bilhões referem-se a financiamentos do programa Minha Casa Minha Vida e do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), ou seja, o governo inclui em seus números de investimento o dinheiro que empresta para um cidadão comprar sua casa. 

Neste ano, o aperto será ainda maior: o orçamento do programa ficará em R$ 26,5 bilhões, ante R$ 67,3 bilhões em 2015. Nesse quadro, a ordem é não iniciar projetos novos, e sim priorizar o que já está em andamento. Mesmo assim, os recursos serão insuficientes e, por isso, os cronogramas tendem a ser dilatados. O balanço informa que, só em equipamentos sociais, como creches, quadras e unidades básicas de saúde, os valores contratados somam R$ 24,2 bilhões em 2016. É quase o orçamento do ano todo.

Atrasos. Perto de completar uma década de existência, o PAC ainda carrega uma lista de obras que já frequentavam a sua primeira edição, em 2007, e que até hoje seguem sem conclusão, apesar dos prazos ambiciosos fixados pelo governo. São exemplos a transposição do Rio São Francisco, o complexo petroquímico Comperj, a Refinaria Abreu e Lima, a Ferrovia Transnordestina, a Usina Nuclear Angra 3 e a pavimentação da BR-163 no Pará. Em tese, cada um desses projetos já deveria ter saído há anos da relação de empreendimentos do PAC. Na prática, a maior parte não será entregue até dezembro de 2018.

No documento divulgado ontem, o governo sustenta que o desempenho é bom. Cita que o valor executado no ano passado corresponde a 24,2% do total previsto para o período 2015-2018 (R$ 1,04 trilhão). Entre as obras concluídas, menciona a conclusão do túnel do Morro do Formigão, na BR- 101 em Santa Catarina, e a ponte Anita Garibaldi, no mesmo Estado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX