Reuters
Reuters

Três em quatro habitantes da América Latina e Caribe não confiam em seus governos

Relatório produzido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) ainda aponta que 80% dos habitantes da região acreditam que a corrupção seja uma prática disseminada

Gabriel Bueno da Costa, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 15h26

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) afirma em relatório que 75% dos habitantes da América Latina e do Caribe mostram pouca ou nenhuma confiança em seus governos nacionais, enquanto 80% avaliam que a corrupção é algo disseminado.

Em 2010, esses níveis estavam em 55% e 67%, respectivamente, e essa piora gera problemas na coesão social e o enfraquecimento do contrato social, diz a entidade. "A região precisa de instituições mais transparentes, capazes, dignas de crédito e inovadoras, se quer se colocar em uma trajetória de desenvolvimento maior e mais inclusiva", avalia a OCDE.

+ Ao G-20, OCDE volta a ressaltar importância de reformas globais em 2018

A afirmação consta de relatório, produzido pela OCDE, pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). Segundo o documento, após uma recessão de dois anos, em 2015 e 2016, a região passa por uma "recuperação econômica frágil", com crescimento projetado de entre 2% e 2,5% em 2018.

+ Chefe da OCDE afirma que até aqui, 'houve mais ruídos que fatos' na guerra comercial

"A recuperação atual se deve mais à melhora na perspectiva econômica global, mas também a melhoras nas condições internas", diz. O desempenho, porém, segue menos favorável que durante o ciclo de crescimento dos anos 2000, completam as entidades.

+ Reformas e mudanças regulatórias limitam espaço para corrupção, diz OCDE

O relatório destaca que a confiança e a satisfação ante as instituições públicas diminuíram, "erodindo o contrato social na região". A melhora nas instituições é necessária para "superar a armadilha da classe média", fomentar a inovação, a concorrência e melhores empregos. As entidades recomendam reforço na credibilidade e na capacidade dos países para combater a corrupção, entregar serviços e responder às demandas populares. Além disso, defendem o uso de novas tecnologias para a implementação de políticas de maneira inovadora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.