Renda do brasileiro vai subir este ano, diz governo

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, garantiu nesta sexta-feira que dados preliminares do Ministério do Trabalho e do Dieese mostram que, em 2005, a renda média do trabalhador deve subir, revertendo uma trajetória verificada nos últimos 7 anos. Segundo pesquisa divulgada pelo IBGE, a queda na renda do brasileiro foi interrompida no ano passado. Segundo ele, a melhora na distribuição de renda ocorreu em virtude de uma queda na renda do grupo dos 10% mais ricos, com uma simultânea melhora na renda dos mais pobres. Bernardo afirmou também que um fator determinante foi o aumento na formalização do trabalho. O assessor do ministro, Arno Méier, destacou a estabilização de preços como um fator importante para reduzir a desigualdade. "A partir de 1994, com o plano real e a estabilização de preços, é que se verifica um movimento mais intenso de melhora na distribuição de renda", disse. Em São Paulo, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, disse que os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2004 do IBGE, demonstram crescimento da distribuição de renda. "Os altos salários, que estão no topo da pirâmide, tiveram um movimento para baixo, enquanto que, na base da pirâmide, houve uma movimentação para cima", afirmou. De acordo com Marinho, a melhora do rendimento entre os trabalhadores de menor renda decorre de uma política de fortalecimento do salário mínimo. "Evidentemente, que, para aumentar a distribuição de renda, é preciso incluir quem está hoje excluído e elevar o salário de quem hoje está na base da pirâmide", afirmou. Para 2005, o ministro do Trabalho prevê crescimento do salário. "É só olhar o que está acontecendo hoje no País, conversar com o movimento sindical, para ver as diferenças que ocorrem ano a ano. O depoimento das centrais sindicais é de que há crescimento do número de acordos salariais em que a correção foi acima da inflação", disse.

Agencia Estado,

25 Novembro 2005 | 17h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.