1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Resultado da balança comercial evidencia economia em recessão

José Augusto de Castro*

Superávit na balança comercial normalmente é percebido como um dado positivo. De fato, o saldo comercial é importante para melhorar a situação das contas externas do País. Porém, ao analisarmos os números da balança comercial de janeiro de 2016, o que se verifica é uma contínua queda da corrente de comércio (soma das exportações com as importações), que teve variação negativa de 25,9%, um tombo enorme na comparação com janeiro de 2015.

A expressiva queda das importações (35,8%) evidencia de forma dramática a forte recessão da economia brasileira, reforçada pelos elevados porcentuais de redução das compras externas de bens intermediários (-35,4%), que são utilizados pela indústria de transformação. O mesmo ocorre com os bens de capital (-21,8%), que são máquinas e equipamentos para modernização e expansão da capacidade produtiva da indústria nacional. A diminuição de 28,8% nas importações de bens de consumo revela a retração da demanda das famílias no mercado interno, enquanto a queda de 60,6% dos combustíveis e lubrificantes está relacionada à redução da demanda e à queda de preços do petróleo e derivados no mercado internacional.

Aumentar as exportações é a alternativa para a retomada do crescimento, da produção, do emprego e da renda diante do quadro de recessão da economia interna. Mas não é isso o que está acontecendo.

Para as exportações voltarem a crescer, não basta apenas câmbio, mas principalmente competitividade. É preciso fazer as inadiáveis reformas tributária, trabalhista e previdenciária. A retomada do crescimento passa pela eliminação dos entraves ao investimento e, sobretudo, por previsibilidade. Sem esta, o empresário não terá a segurança necessária para buscar o mercado externo e ampliar exportações. É hora de sair do discurso e tomar ações efetivas para reduzir o custo Brasil, única forma de retomar o crescimento.

Resumindo, em outras palavras, a forte redução da atividade econômica e a consequente perda de empregos domésticos têm como contrapartida expressivo superávit comercial, cujo impacto no PIB constitui uma miragem.

*José Augusto de Castro é presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX