1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Resultado incerto faz Petrobrás adiar PLR

- Atualizado: 26 Janeiro 2016 | 22h 26

Estatal, tradicionalmente, antecipa participação no lucro em janeiro, mas diretoria não acha medida prudente antes de fechar o balanço de 2015

RIO - Os trabalhadores da Petrobrás receberam indicação da empresa de que o resultado financeiro do último trimestre do ano passado vai comprometer o ganho acumulado nos primeiros nove meses. A informação foi passada durante reunião de sindicalistas com técnicos da área de Recursos Humanos da petroleira, na última segunda-feira, para tratar de benefícios trabalhistas e possíveis cortes de salários por causa da greve no fim do ano passado.

Todo ano, a Petrobrás antecipa em janeiro o pagamento da participação no lucro (PLR), mas, desta vez, diante da incerteza sobre o resultado financeiro de 2015, decidiu agir diferente. Em comunicado divulgado no site da Federação Única dos Petroleiros (FUP), os sindicalistas afirmam que o “RH (área de recursos humanos) informou que a diretoria da empresa não considera prudente atender a essa demanda (antecipação do PLR) antes do fechamento do balanço de 2015”. O argumento é que o resultado do quarto trimestre tende a reduzir os ganhos registrados até setembro.

Estatal pode cortar salários por causa de greve
Estatal pode cortar salários por causa de greve
Segundo a FUP, “há receio de que o resultado do quarto trimestre possa causar impacto negativo no lucro de R$ 2,1 bilhões acumulados nos três primeiros trimestres”. José Maria Rangel, coordenador da federação, que participou da reunião, diz que a empresa considera a possibilidade de o desempenho da Petrobrás ter sido afetado pelo cenário adverso de baixos preços do petróleo.

Já a Federação Nacional dos Petroleiros, que também representa os petroleiros e esteve reunida com o RH da Petrobrás, informou, em nota publicada em seu site, ter recebido a informação da empresa de que o lucro de 2015 vai ser baixo.

Se atendesse ao pedido de adiantamento da participação no lucro e o resultado do quarto trimestre pesasse negativamente nas finanças, como é esperado, os empregados seriam obrigados, mais tarde, a devolver dinheiro à empresa, pois o cálculo do adiantamento é baseado no resultado dos primeiros nove meses, que deve ser maior do que o do fechamento do ano. Como compensação à negativa da empresa, a FUP pede o adiantamento da primeira parcela do décimo terceiro salário, como foi feito no ano passado.

Corte de custo. Além do adiantamento do PLR, os empregados reivindicam a retomada de uma série de benefícios e tentam evitar que os dias de greve, ocorrida no fim do ano passado, sejam descontados. A Petrobrás está disposta apenas a parcelar o corte de fevereiro a maio. No comunicado, a FUP acusa a empresa de intransigência. “Os gestores preferiram apostar no confronto, que custou aos cofres da empresa cerca de R$ 300 milhões”, diz o texto.

Todo esforço da Petrobrás é para cortar custos internos, o que deve ser refletido no enxugamento dos benefícios dos funcionários. Inicialmente, a previsão era reduzir os gastos operacionais em US$ 8 bilhões, de 2015 a 2016. Esse montante, no entanto, foi considerado insuficiente, o que levou a diretoria a avaliar ainda mais cortes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX