1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Risco de falta de energia nas regiões Sudeste e Centro-Oeste cai a zero

Anne Warth - Agência Estado

10 Julho 2014 | 17h 53

Segundo documento distribuído pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), houve melhora nas condições de suprimento de energia e o abastecimento em 2014 está garantido

O risco de desabastecimento de energia elétrica nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste neste ano caiu de 2,5% em junho para zero em julho, segundo nota divulgada pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo coordenado pelo Ministério de Minas e Energia. No Nordeste, o risco de déficit continua zero.

Esse porcentual considera a série história de informações climáticas utilizadas no Programa Mensal da Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), que tem 81 anos. Segundo o documento distribuído pelo CMSE, houve melhora nas condições de suprimento de energia no País e o abastecimento em 2014 está garantido. O documento ressalta ainda a importância do parque de usinas térmicas disponível no País.

Considerando a série sintética, com dois mil cenários derivados da série histórica, o risco nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste caiu de 4,8% para 1,7%, e no Nordeste, recuou de 1,3% para 0,6%.

Para o período entre 2015 e 2018, o risco de falta de energia nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste permaneceu em 4%. No Nordeste, esse risco permaneceu em 0,4%. O risco estaria dentro do planejamento, pois continua abaixo do 5% toleráveis pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Na nota, o CMSE reiterou que há uma sobra de energia de 5.500 MW médios para atender ao consumo previsto no País. Segundo o documento, chuvas bem acima da média em junho nas bacias do Iguaçu, Uruguai e Jacuí contribuíram para reduzir o risco de falta de energia. Os reservatórios das usinas dessas bacias e de Itaipu estão "praticamente em seus armazenamentos máximos".

As afluências - quantidade de água que chega aos reservatórios das hidrelétricas - ficaram 423% acima da média na Região Sul e 102% acima da média na Região Sudeste/Centro-Oeste. Na região Norte, as afluências atingiram 89% da média, e no Nordeste, apenas 42%.

"O aumento de temperatura do Oceano Pacífico e os ventos nos baixos e altos níveis da atmosfera observados nesse período indicam o estabelecimento do fenômeno El Niño, de intensidade moderada, implicando na continuidade das precipitações da Região Sul com valores normais ou superiores à média histórica", diz a nota.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo