Assine o Estadão
assine

Economia

Varejo

Roldão compra operação no interior de SP de rede mineira de atacarejos

Com faturamento estimado em R$ 2,1 bilhões no ano passado, grupo fechou a aquisição de quatro lojas da concorrente Mega Atacadista; com estrutura mais simples e preços menores, atacarejos têm ‘roubado’ mercado dos hipermercados durante a crise

0

Mônica Scaramuzzo,
O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2016 | 05h00

O grupo Roldão, que atua no atacarejo, formato de loja que mistura atacado com varejo, fechou a compra de quatro lojas da concorrente Mega Atacadista, de Minas Gerais, apurou o ‘Estado’ com fontes próximas às negociações. A varejista vai incorporar essas lojas, localizadas no interior de São Paulo, ao grupo. O valor da operação não foi divulgado e não inclui as lojas de Minas, pelo menos, por enquanto.

Com faturamento estimado em R$ 2,1 bilhões no ano passado, o Roldão tem crescido, nos últimos anos, de maneira orgânica. A estratégia é avançar em cidades do interior de São Paulo e Grande São Paulo, mesmo movimento feito pelas gigantes Assaí, do Grupo Pão de Açúcar, e Atacadão, do Carrefour.

Com a incorporação dessas quatro lojas, que faturam cerca de R$ 200 milhões, o Roldão passa a contar com 27 unidades, todas no Estado de São Paulo. Fontes afirmaram que o grupo pretende expandir seus negócios para outras regiões do País, mas não em grandes capitais. “Eles querem buscar mercados regionais”, disse uma fonte.

O negócio de atacarejo é bem-visto em anos de crise. De acordo com José do Egito Frota Lopes Filho, presidente da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), as redes de atacarejo estão “roubando” vendas dos hipermercados. “Os hipermercados têm um custo muito alto por loja, que conta com ar condicionado, empacotadores e toda uma estrutura mais sofisticada. Já o atacarejo é um modelo mais simples e atrai o consumidor pelo preço”, disse o presidente da entidade.

O setor atacadista movimentou no Brasil em 2014 cerca de R$ 212 bilhões, segundo a Abad. O valor de 2015 ainda não foi divulgado, mas deve ficar no mesmo patamar, de acordo com Lopes Filho. Nesse segmento, estã0 incluídos os atacadistas de produtos gerais, de produtos especializados, distribuidores exclusivos para determinadas empresas e o atacarejo.

O movimento feito pelo Roldão, fundado em 2000 na cidade de São Paulo, deve crescer. “A consolidação nesse segmento faz muito sentido porque esse setor é focado em volume. Com esse movimento, os fornecedores serão mais espremidos e terão de ceder mais em preço”, afirmou uma fonte com conhecimento em varejo.

Migração. Em recente entrevista ao Estado, os grandes varejistas, também donos de formatos de atacarejo, afirmaram que está ocorrendo uma migração dos consumidores das classes B para esse tipo de loja, que antes era focado na classe C. Tradicionalmente, os formatos de atacarejo têm quatro canais de venda: os transformadores (food service, lanchonetes e pizzarias); revendedores (mercearias e padarias); utilizadores (comunidades, como escolas e igrejas); e o consumidor final.

Os consumidores finais estão desde o ano passado buscando produtos nessas lojas para fazer estoques, sobretudo de produtos de limpeza. Para economizar, os consumidores têm reduzido as refeições fora do lar e adquirido alimentos e bebidas em maior quantidade para consumir em casa. 

Procurado, o presidente do Roldão, Ricardo Roldão não retornou os pedidos de entrevista. Nenhum porta-voz do Mega Atacadista foi encontrado para comentar o assunto.

Mais conteúdo sobre:

Comentários