1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Rússia ameaça não enviar mais gás para Ucrânia

EDGAR MACIEL, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES - Agência Estado

16 Junho 2014 | 08h 13

Como resposta ao não pagamento da dívida de US$ 1,95 bilhão, a estatal russa Gazprom anunciou nesta segunda-feira que a Ucrânia só receberá gás natural mediante a um pagamento prévio pelo produto. A decisão pode afetar o fornecimento de gás na Europa, que tentou mediar um acordo sobre o preço do gás, mas sem sucesso. Até o momento, o governo ucraniano não se manifestou sobre a decisão.

A maior parte do combustível que chega ao continente europeu passa pela Ucrânia e, com o impasse entre os dois países, pode haver um desabastecimento no futuro. Por enquanto, analistas do setor afirmam que o efeito no mercado europeu é limitado, já que os estoques estão em alta devido à demanda menor no verão no hemisfério norte.

Em meio ao aumento das tensões no leste ucraniano, a estatal russa OAO Gazprom eliminou, em abril, os descontos para o gás vendido à Ucrânia, fazendo com que o preço subisse 80%, para US$ 485,50 por 1.000 metros cúbicos, o maior valor na Europa. A OAO Gazprom exigia que Kiev pagasse uma dívida de US$ 1,95 bilhão, mas o governo ucraniano se recusou até que um novo preço seja acordado. Hoje, a Gazprom divulgou que a dívida total da Ucrânia é de US$ 4,458 bilhões.

A Rússia acusa a Ucrânia de intransigência e diz que os preços demandados por Kiev não são razoáveis. O governo russo tem procurado tranquilizar os clientes europeus e afirma que vai cumprir todas as obrigações contratuais.