Saiba como é calculado o valor do seguro de veículos

Antes de comprar um veículo, o motorista tem várias preocupações com relação às condições mecânicas e à documentação do carro. Além disso, outro aspecto que merece atenção é o preço da contratação de um seguro. O prêmio ou valor da apólice do seguro de automóveis varia conforme a marca, o tipo, o ano, a região de circulação do veículo, o perfil dos condutores, o valor de reparo das peças e o uso do veículo. Especialistas do setor dão algumas orientações sobre como é realizado o cálculo do valor do seguro de automóveis. As seguradoras levam em consideração diversas informações para compor o preço do seguro de um veículo. O diretor da Real Seguros, Valter Pereira, destaca que o cálculo é baseado no risco de sinistralidade ao qual o veículo está sujeito. ?As informações do questionário de perfil do motorista servem para avaliar o risco de sinistro e acidentes aos quais o cliente está sujeito. Somam-se essas informações as características do veículo e a seguradora procura um preço justo para cada cliente?, explica. O diretor da Real Seguros relata que, no questionário de perfil, as seguradoras verificam algumas características como: idade e sexo do motorista , existência de garagem em casa e no trabalho e se há outros condutores do veículo. ?A probabilidade de acontecer um acidente com um condutor jovem é maior do que com um condutor mais experiente. As mulheres oferecem um risco menor do que os homens porque são mais cuidadosas com seu veículo. Já quem tem garagem em casa corre um risco menor de ter o carro furtado. São esses tipos de informações utilizadas para calcular o prêmio da maneira mais justa para cada caso?, conta Valter Pereira. O vice-presidente da Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e Capitalização (Fenaseg) e da Sul América Seguros, Júlio Avelar, destaca que o preço do seguro também é calculado com base em informações como a freqüência de roubos e de colisão, de acordo com a marca e o ano do veículo. ?Carros mais visados, com um elevado porcentual de roubo e furto ao ano, têm preços de seguro mais altos?, explica. Preço por região Dois veículos de mesma marca e modelo podem ter preços diferentes. Isso porque as seguradoras também avaliam se a região que o carro circula tem grande ou pequeno risco de assalto e furto. O diretor técnico de autos da Vera Cruz Seguradora, João Bosco, alerta que os motoristas que trafegam em regiões em que as quadrilhas de roubo de automóveis mais atuam, pagam seguros mais caros. ?O valor do prêmio fica mais caro nas regiões em que há uma maior incidência de assaltos de veículos?, afirma. No Estado de São Paulo, a zona Leste da capital e o ABC Paulista são as regiões com o maior número de roubos de veículos, segundo o diretor da Vera Cruz. Já no Rio de Janeiro, a capital carioca e a Baixada Fluminense são as regiões de maior atuação dos bandidos. ?Essas são regiões de altíssimo risco de roubos e furtos. Os motoristas que circulam nesse locais pagam um valor do prêmio maior?, avisa. Peça cara, prêmio mais elevado O vice-presidente da Fenaseg e da Sul América Seguros, Júlio Avelar, avisa que o carro que possui peças de reposição com preços muito altos também têm o valor do prêmio maior. ?Existem carros que possuem peças muitos caras para reposição, principalmente os importados e carros nacionais fora de linha. Isso porque é difícil encontrar peças nos estoques das montadoras e de lojas especializadas?, explica. Júlio Avelar avisa que o valor da mão-de-obra do conserto do veículo, em caso de acidente, também é levado em conta no cálculo do prêmio. Descontos de até 30% Uma forma utilizada pelos motoristas para baratear o valor do prêmio é a instalação de sistemas de bloqueio e rastreamento de veículos. O diretor da Unibanco AIG Seguros, Ricardo Lachac, ressalta que estes dispositivos antifurto podem render descontos de até 30% no valor final do prêmio, dependo do modelo instalado no veículo. ?As seguradoras oferecem descontos para veículos com rastreadores porque esses produtos diminuem o risco de furtos e roubos?, explica.

Agencia Estado,

08 Abril 2003 | 11h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.