Domínio público/Pixabay
Domínio público/Pixabay

Salário médio de admissão tem alta real de 1,33% em janeiro, aponta Caged

Apesar do ganho acima da inflação nas contratações, o salário de admissão ficou abaixo da remuneração que era recebida pelos que foram demitidos no período

Idiana Tomazelli, Broadcast

02 Março 2018 | 12h15

O salário médio de admissão no mercado de trabalho formal registrou aumento real de 1,33% em janeiro de 2018 em relação a igual mês do ano passado, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 2, pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O avanço é observado em todas as atividades, à exceção da administração pública.

+ População ocupada com carteira assinada está no nível mais baixo da série

Apesar do ganho acima da inflação nas contratações, o salário de admissão ficou abaixo da remuneração que era recebida pelos que foram demitidos no período. Na média do País, o salário de admissão foi de R$ 1.535,51 no primeiro mês do ano, o equivalente a 93,23% do salário de desligamento (R$ 1.636,41).

Na prática, isso significa que quem é contratado está ganhando menos do que quem é demitido. Esse quadro foi ainda mais acentuado na indústria de transformação, que liderou as admissões com carteira assinada em janeiro e registrou um salário de admissão equivalente a 86,5% do salário de desligamento.

+ Número de pessoas que desistiram de procurar emprego bate recorde em 2017

Cinco Estados foram na direção contrária do resultado nacional e observaram queda real no salário de admissão em janeiro de 2018 em relação a igual mês do ano passado. Entre eles está o Rio de Janeiro, que teve queda de 1,41% nos salários de contratação, já descontado o efeito de preços.

O Rio, que vive uma crise na segurança pública e tem a área sob intervenção federal, foi o que mais fechou postos de trabalho com carteira: quase 10 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.