1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Satélite brasileiro pode ser lançado ainda este ano

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 05h 00

Telebrás prevê que o 1º satélite geoestacionário do Brasil deve entrar em órbita entre dezembro de 2016 e fevereiro de 2017

BRASÍLIA - o programa de lançamento do primeiro satélite geoestacionário nacional pode decolar ainda este ano, mesmo com a alta do dólar elevando o custo do projeto para R$ 2,3 bilhões. A montagem do satélite já foi concluída na França e o governo inaugurou o primeiro centro de controle do equipamento em Brasília. A previsão é de que o satélite entre em órbita entre dezembro deste ano e fevereiro de 2017.

A primeira grande antena que servirá para controlar a posição do satélite em sua órbita geoestacionária, a 36 mil quilômetros de altura, já está instalada em uma área da Marinha localizada no Lago Sul, região residencial de Brasília. É nesse centro de controle que cerca de 140 pessoas se revezarão em turnos de 24 horas por dia, todos os dias da semana, para operarem o equipamento no espaço.

A primeira antena para controlar o satélite foi instalada em Brasília, no Lago Sul
A primeira antena para controlar o satélite foi instalada em Brasília, no Lago Sul
“Os operadores já foram treinados na França e o centro de controle já está com toda a estrutura crítica montada, como sistemas redundantes de energia, para haver confiabilidade em toda a operação. O investimento feito no centro de controle servirá para outros satélites que viermos a lançar no futuro. Há espaço para expandir a operação no local”, destaca o presidente da Telebrás, Jorge Bittar.

Além do centro de controle de Brasília, haverá uma segunda estação de backup com a mesma configuração no Rio de Janeiro, que poderá assumir o controle total do satélite se necessário. O projeto conta ainda com cinco estações de acesso (gateways), duas delas nos centros de controle e as demais em Florianópolis (SC), Salvador (BA) e Campo Grande (MT).

“Essas estações poderão distribuir a comunicação com o satélite a qualquer região do País, compensando eventuais ocorrências climáticas que possam limitar a potência do sinal em determinadas áreas”, diz o gerente de satélite da Telebrás, Sebastião do Nascimento Neto.

Com capacidade de transmissão de 54 gigabits por segundo simultâneos, o satélite da Telebrás é o primeiro com capacidade de alcance de todo o território nacional, sem qualquer zona de “sombra”. O equipamento fará transmissões na banda Ka, voltada para a oferta de serviços de telecomunicações, como banda larga, mas também vai operar na banda X, utilizada para transmissões militares criptografadas.

Para levar o projeto adiante, a Telebrás se juntou à Embraer em uma joint venture chamada Visiona Tecnologia Espacial, que contratou a francesa Thales Alenia Space para a construção do artefato. Os dois módulos do equipamento que, somados, pesam 5,8 toneladas, já foram conectados na Europa e agora passarão por testes de vibração, variação térmica e qualidade do sinal até a metade deste ano.

“O contrato prevê a transferência de tecnologia. Neste primeiro satélite, apenas um painel de suporte das baterias foi fabricado no País, mas a nossa intenção em conjunto com a Agência Espacial Brasileira é fomentar a cadeia de componentes nacionais. O próximo satélite já será montado no Brasil com mais peças brasileiras”, avalia Bittar.

Apesar do custo do projeto ter chegado a R$ 2,3 bilhões com a alta do dólar, a Telebrás calcula que gastaria hoje apenas a metade desse valor para lançar um novo equipamento de porte semelhante. “Apenas o satélite em si custou US$ 350 milhões. Mas, como já temos o centro do controle e toda a infraestrutura necessária, um segundo equipamento hoje custaria cerca de R$ 1,150 bilhão”, argumenta Bittar, que estima um novo lançamento para 2020.

Contratos. Segundo o executivo, a Telebrás já negocia contratos para uso da capacidade do satélite. Pequenos provedores de internet de regiões onde não há fibras ópticas são o principal grupo de clientes, mas o equipamento também levará banda larga a escolas rurais e centros de saúdes. “Também já fomos procurados por Caixa, Banco do Brasil, Dataprev, Serpro e os Correios. O satélite poderá ainda ser usado pela agricultura de precisão, para o controle de fronteiras, para gerenciamento ambiental e até mesmo para o ecoturismo”, completa.

Após os testes que vão até meados deste ano ainda na França, o satélite embarcará em um navio e cruzará o Oceano Atlântico até a Guiana Francesa, onde a também francesa Arianespace o colocará em órbita.

A janela de lançamento vai de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017. “Queremos lançar já no primeiro dia, para começarmos logo a fornecer os serviços, mas isso depende das condições meteorológicas. Mas o cronograma está rigorosamente em dia”, afirma Bittar.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX