Schering-Plough: lucro no 1°tri 08 cai 48%, para US$ 291 mi

O resultado foi afetado por custos associados à compra da Organon BioSciences

Hélio Barboza, Agência Estado

23 Abril 2008 | 17h07

O lucro líquido do laboratório farmacêutico Schering-Plough registrou queda de 48% no primeiro trimestre, para US$ 291 milhões, ou US$ 0,15 por ação, contra US$ 565 milhões, ou US$ 0,36 por ação, no mesmo período do ano anterior. O resultado foi afetado por custos associados à compra da Organon BioSciences.   Veja também: Bolsas de NY abrem em alta, ponderando Boeing e Ambac Delta Airlines tem prejuízo de US$ 6,4 bi no 1º trimestre Financeira dos EUA anuncia grandes perdas e bolsas caem UBS vai reduzir unidade de banco de investimento após crise Cronologia da crise financeira  Entenda a crise nos Estados Unidos     Excluindo a compra e outros encargos, o lucro subiu para US$ 0,53 por ação, de US$ 0,42 por ação no primeiro trimestre do ano passado. As vendas líquidas cresceram 57%, para US$ 4,66 bilhões, impulsionadas por US$ 1,3 bilhão em vendas da Organon. A margem bruta caiu de 69% para 54,1%. Analistas consultados pela Thomson Reuters esperavam, em média, lucro de US$ 0,37 por ação, excluindo encargos, e faturamento líquido de US$ 4,52 bilhões.   As ações da Schering-Plough acumulam queda de quase 60% em 2008, depois que cardiologistas advertiram colegas para reduzir o uso dos remédios contra colesterol Vytorin e Zetia, comercializados por meio de uma joint venture com a Merck & Co. A recente recuperação da Schering vinha sendo atribuída às duas drogas, que, segundo analistas, respondiam por cerca de metade do lucro da empresa. Após a forte queda de suas ações, a farmacêutica anunciou que iria eliminar cargos de gerência, simplificar sua linha de produtos, fechar fábricas e cortar gastos de viagem e outros para economizar US$ 1,5 bilhão por ano.   Às 10h41 (de Brasília), as ações da Schering subiam 4,49% na Bolsa de Nova York, para US$ 17,91. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Crise nos EUA Mercados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.