1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Serviços domésticos crescem diante da falta de oportunidades em outros setores

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 14h 26

Trabalhadores que perderam o emprego voltam para o serviço doméstico por falta de opção, segundo o IBGE

Setor de serviços domésticos recebeu 200 mil pessoas a mais no trimestre até outubro

Setor de serviços domésticos recebeu 200 mil pessoas a mais no trimestre até outubro

RIO - Na contramão de diversos setores da economia, os serviços domésticos continuam absorvendo novos trabalhadores. Mas não por motivos virtuosos. "Muitas trabalhadoras perderam a oportunidade e acabaram tendo de voltar para o serviço doméstico por falta de opção", explicou o coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cimar Azeredo.

Na última década, a redução do contingente de trabalhadores domésticos diminuiu consideravelmente diante de mais oportunidades em serviços em geral, serviços terceirizados e no comércio. Agora, com esses setores demitindo, a saída é voltar às origens.

Como resultado, o número de empregados domésticos aumentou 3,3% no trimestre até outubro de 2015 em relação a igual período do ano anterior, o que significa 200 mil pessoas a mais. Dessas, 153 mil entraram no serviço doméstico em um período ainda mais curto, na comparação com o trimestre encerrado em julho de 2015.

"Elas perderam oportunidade, não têm mais a oferta que se tinha antes", disse o coordenador.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX