1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Serviços podem liderar demissões

Tiago Cabral Barreira*

A taxa de desemprego da Pnad Contínua atingiu 9% em novembro, maior valor desde o início da série histórica, em 2012. O aumento ocorre principalmente pela deterioração da atividade, com queda de 4% do PIB em 2015, bem como pelo crescimento da força de trabalho, com o contínuo influxo de pessoas à População Economicamente Ativa. Em média, 11,5 milhões estarão desocupados em 2016.

A construção civil, um dos setores que lideravam a queda da população ocupada ao longo do ano, surpreendeu e teve leve recuperação, com a primeira alta desde junho de 2014. Especula-se o aumento do trabalho informal, que constitui metade do setor. Espera-se, em 2016, que o setor permaneça fraco, num cenário em que é improvável a abertura de novos estabelecimentos comerciais, de escassez de crédito imobiliário e de inadimplência.

Por outro lado, há grande deterioração do setor de serviços prestados às empresas, que, ao contrário do primeiro semestre de 2015, vem deteriorando-se mês a mês. O setor pode apresentar a maior queda da população ocupada neste ano, atingindo a liderança nas demissões, até então ocupadas pela construção e indústria.

*Consultor externo para a área de Mercado de Trabalho do Ibre/FGV

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX