1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Sete investimentos com pouco risco para você não deixar o seu dinheiro parado

- Atualizado: 21 Março 2016 | 09h 34

Com vantagens, riscos e características distintas, alternativas de investimento conservadoras chamam a atenção dos poupadores; caderneta de poupança é a menos rentável, alertam especialistas 

SÃO PAULO - Pelo segundo ano seguido, a renda fixa promete ser uma aplicação interessante para os pequenos poupadores. O Certificado de Depósito Interbancário (CDI) - taxa que serve de parâmetro para grande parte dos investimentos conservadores - acumula alta de 2,77% em 2016, porcentual elevado para pouco mais de dois meses. 

O juro alto chama a atenção dos investidores e a demanda pelo Tesouro Direto e por títulos bancários, como Letras de Crédito Imobiliário (LCI), tem crescido. Ainda assim, a escolha do título suscita dúvidas. Com vantagens e desvantagens distintas, cada aplicação é indicada para um tipo de investidor. Especialistas concordam, contudo, que a caderneta de poupança novamente deve ser a alternativa menos rentável dentro da renda fixa. 

“As pessoas confundem poupança, o ato de poupar, com o produto. É importante ter uma poupança, mas no sentido de dinheiro guardado, não necessariamente na caderneta”, afirma o professor André Massaro, do Instituo Educacional BM&FBovespa. Confira a seguir as características de cada aplicação de renda fixa:

CDB

O Certificado de Depósito Bancário é um título que representa a dívida do banco com o investidor. Em troca, o “empréstimo” é pago com um juro, geralmente um porcentual do CDI. Pela maioria ser pós-fixada, o título é indicado para investidores mais conservadores, que querem ganhar algo próximo ao juro médio da economia (Selic), independentemente de seu patamar. A desvantagem é que, para conseguir taxas elevadas em grandes bancos, próximas ou acima de 100% do CDI, é preciso ter mais de R$ 100 mil.

LCI

A Letra de Crédito Imobiliário também é um título de dívida bancária, em geral pós-fixada como o CDB. Outra característica comum é a cobertura pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$ 250 mil por CPF. A principal diferença para o CDB é que, na LCI, as pessoas físicas são isentas de Imposto de Renda. De uma forma geral, os bancos oferecem um porcentual menor do CDI nas letras, então o investidor tem de fazer as contas. “Se o investidor tem um prazo mais curto, caindo na maior faixa de IR no caso do CDB, a LCI pode compensar”, diz Massaro.

RDB e LC

A Letra de Câmbio (LC) não tem nenhuma relação com o dólar. É um título de dívida de financeiras. Por normalmente serem menores, as financeiras pagam taxas mais interessantes na LC do que as oferecidas por LCI e CDB. Há também o Recibo de Depósito Bancário (RDB), uma espécie de CDB de financeiras e bancos menores, com taxas maiores. “A taxa está acima de 100% do CDI se a pessoa ficar até o vencimento e cai para 90% se resgatar antes”, diz Claudio Ferro, diretor do Poupa Brasil, site criado pela Acrefi que oferece RDB. Em ambos, há IR e cobertura do FGC.

Caderneta de poupança

A tradicional caderneta de poupança, apesar de popular entre os brasileiros, está longe de ser a queridinha dos especialistas. Não há Imposto de Renda, mas a remuneração é baixa (0,5% ao mês mais Taxa Referencial, o que dá algo em torno de 8% ao ano atualmente). Além disso, diferentemente dos investimentos citados até aqui, a rentabilidade não é diária. Só ocorre no aniversário do mês. Ou seja, se o investidor aplicar e sacar o dinheiro antes de completar 30 dias, não tem nenhum retorno. Como as outras aplicações já listadas, há garantia do FGC.

12 coisas que você não sabe sobre o Tesouro Direto
Divulgação
Novo queridinho da renda fixa

Lançado em 2002 no Brasil, o Tesouro Direto vem atraindo cada vez mais investidores. O baixo rendimento da poupança atrelado a um aumento do custo de vida, que leva mais pessoas a buscarem proteção, são alguns dos motivos que explicam a popularização dos títulos públicos. Mas talvez você não saiba todas as peculiaridades da aplicação. Veja algumas delas.

Tesouro Direto

Títulos públicos, vendidos a pequenos investidores por meio do Tesouro Direto, são a dívida do governo com poupadores. São garantidos pelo Tesouro Nacional. O tipo de título determina o perfil. Os pós-fixados seguem a taxa Selic e não têm risco de perda por volatilidade de preço. Os prefixados hoje têm altas taxas. Se a Selic cair, ficam mais valorizados. Se subir e o investidor tiver de vender os papéis antes do vencimento, podem gerar prejuízo. O mesmo ocorre com os papéis de inflação, que protegem contra a alta dos preços só se a pessoa ficar até o vencimento.

Fundos de renda fixa

Os fundos de renda fixa reúnem os recursos de diversos investidores e os reaplicam em diversos títulos de renda fixa. Para gerir tal carteira, cobram taxa de administração. “O fundo consegue diversificar muito melhor que a pessoa física, mas vale a pena se cobrar taxa de até 1% ao ano”, afirma o administrador de carteiras Fabio Colombo. Sobre risco, os de carteira mais curta (classificados como duration baixa) e com títulos públicos (grau de investimento e risco soberano) têm menos propensão a ter perdas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX