1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Setor externo decepciona projeções e déficit soma US$ 1,9 bilhão em fevereiro

- Atualizado: 23 Março 2016 | 11h 50

Rombo veio acima do projetado pelo Banco Central, de US$ 1,5 bi, e do superávit esperado por analistas do mercado, de US$ 180 mi; investimentos diretos no País, porém, somaram US$ 5,9 bi, valor suficiente para cobrir o déficit

No bimestre, o rombo nas contas externas soma US$ 6,736 bilhões

No bimestre, o rombo nas contas externas soma US$ 6,736 bilhões

BRASÍLIA- Após um déficit de US$ 4,8 bilhões em janeiro, o rombo das transações correntes somou US$ 1,9 bilhão em fevereiro, segundo dados do Banco Central. A projeção do BC para a conta corrente do mês passado era de um saldo negativo de US$ 1,5 bilhão.

O resultado também foi pior que a mediana positiva de US$ 180 milhões apontava pelo levantamento realizado pela Agência Estado, que ia de um déficit de US$ 1,9 bilhão a um superávit de US$ 1,1 bilhão. O déficit do mês passado é o menor desde agosto de 2009, quando estava em US$ 828,5 milhões.

A balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 2,9 bilhões em fevereiro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 1,9 bilhão. A conta de renda primária também ficou deficitária em US$ 3,1 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou no vermelho em US$ 1,415 bilhão.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, disse que a balança comercial brasileira contribuiu com a maior parte dos ganhos registrados em conta corrente. Segundo ele, de fevereiro do ano passado a fevereiro deste ano, houve um ganho de US$ 12,6 bilhões nas transações correntes. Desse montante, a balança comercial contribuiu com US$ 9,5 bilhões, a conta de serviços com US$ 3,1 bilhões e a conta de renda com US$ 0,1 bilhão.

No bimestre, o rombo nas contas externas soma US$ 6,7 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses até fevereiro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 46,3 bilhões, o que representa 2,67 % do Produto Interno Bruto (PIB). 

Investimento estrangeiro. Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 5,9 bilhões em fevereiro. O resultado é mais do que o suficiente para cobrir o rombo de US$ 1,9 bilhão verificado no saldo das transações correntes do mês.

O resultado ficou acima das estimativas, que iam de US$ 2,95 bilhões a US$ 5,5 bilhões, com mediana de US$ 4,9 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central, o IDP de fevereiro ficaria em US$ 4,5 bilhões. Para março, Maciel estimou que o IDP em março ficará em US$ 5,5 bilhões em março. 

No primeiro bimestre de 2016, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo soma US$ 11,4 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses até fevereiro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 77,6 bilhões, ou 4,48% do PIB. 

Dívida externa. A estimativa do Banco Central para a dívida externa brasileira em fevereiro é de US$ 330,687 bilhões. Segundo a instituição, em dezembro de 2015, último dado verificado, a dívida somava US$ 334,6 bilhões e, no fim de 2014, a dívida era de US$ 352,7 bilhões. A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 276,3 bilhões em fevereiro, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 54,4 bilhões no fim do mês passado.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX