1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Setor público puxa criação de emprego formal no País em 2013

Victor Martins - O Estado de S. Paulo

18 Agosto 2014 | 16h 23

A criação de vagas com carteira assinada cresce 29,7% e somou 1,490 milhão no ano passado

Puxada pela administração pública, a geração de empregos formais apresentou crescimento de 29,7% no ano passado em relação ao ano anterior. A criação de empregos formais foi de 1,490 milhão em 2013, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O total de vínculos empregatícios também aumentou, passando de 47,4 milhões para 48,9 milhões - uma elevação de 3,14% entre 2013 e 2012. Os números da Rais diferem dos do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) porque levam em consideração todos os tipos de vínculos trabalhistas, enquanto o Caged, que apontou para criação de 1,1 milhão de empregos no ano passado, só considera os celetistas (com carteira assinada). 

Em tom otimista, o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, afirmou que a pesquisa mostra um cenário benéfico para a geração de vagas no Brasil. “Quem está em crise é o mundo, não somos nós”, disse. “Vamos continuar gerando emprego.”

Setor público. No entanto, não fosse o setor público, a criação de novas vagas teria sido bem menor, mostrou a pesquisa oficial. O segmento puxou o crescimento do emprego no ano passado ao apresentar uma alta de 4,85% em relação ao ano anterior - foram 414,7 mil postos adicionais no período. O desempenho, segundo o ministro, foi favorecido pela troca de cargos nos municípios. Prefeitos que venceram trocaram as eleições em 2012 trocaram cargos de confiança e criaram novas posições quando assumiram em 2013. 

A despeito do discurso otimista, o ministro admitiu que o mercado de trabalho esfriou, mas disse que espera uma recuperação mais intensa na geração de empregos a partir do segundo semestre deste ano. “Não é uma coisa desastrosa. Há desaceleração, mas existe um exagero quando se fala da nossa economia.”

Salários. Durante a apresentação dos dados, o ministro Manoel Dias destacou que os ganhos salariais para os trabalhadores, na média, continuam acima da inflação.

No ano passado, o aumento real médio foi de 3,18%. Apesar disso, a diferença entre os maiores e os menores salários continuou elevada - em 158,13%. Em 2012, essa diferença era de 166%. 

Manoel Dias também defendeu que há uma “campanha pessimista” no País, mas que os números de sua área mostram um panorama diferente .

“A Bolsa está subindo e o dólar está caindo”, resumiu. Ao atingir o pleno emprego, segundo o ministro, é “natural” que se reduza a geração de novos postos.

Dias ponderou que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2013 foi menor do que em 2012 eque a geração de emprego acompanha esse movimento. 

Regiões. Os dados mostraram, ainda, que o Centro-Oeste foi a região que mais criou emprego, com uma elevação de 5,5% na geração de empregos. No Norte, a alta chegou a 4,62%; no Nordeste, a 3,64%; no Sul, a 3,51%; e no Sudeste, a 2,28%. 

O ministro Manoel Dias afirmou que o Nordeste apresentou bom desempenho em função de investimentos em novas plantas industriais. 

Ele explicou, ainda, que entre as unidades da federação a expansão é “generalizada” - apenas Roraima apresentou retração, segundo Dias. 

Foram menos 1,6 mil vagas em função de demissões no serviço público. 

Entre oito setores do mercado de trabalho, sete apresentaram expansão nos rendimentos reais. A agricultura apresentou alta de 6,13%, o segmento de indústria extrativa Mineral 4,76%. 

Construção Civil. Também se destacaram os ganhos de construção civil (4,29%), comércio (3,63%), indústria de transformação (3,40%) e serviços (3,33%). Os Serviços de Utilidade Pública, que apresentaram queda de 3,61%, foi o único que registrou queda.