1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Socorro! A política bancária parou no tempo

Roberto Luis Troster

O governo anunciou na semana que passou um pacote, com o uso de bancos públicos e de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para ampliar o crédito e reativar a economia. Não tem chances de dar certo.

O impacto é pouco significativo e o volume é de apenas 3% do total do crédito do País. Mas mais grave é que vai passar algum tempo até que decidam por outra solução, e, neste período, os problemas da economia brasileira continuarão a se agravar.

A concepção das causas dos problemas é inadequada e até o anúncio está equivocado, porque o nome “bancos públicos”, neste caso, não é apropriado. Em Economia, bens e serviços são chamados de públicos por causa das externalidades (efeitos indiretos) que têm na economia. Ilustrando o ponto: a iluminação de ruas é “pública”, independentemente de quem for o acionista da empresa de energia. Todos os bancos no Brasil são públicos, e Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal (CEF) e BNDES são estatais.

Mais ainda, usando outro critério, fazendo rankings do número de clientes e de operações, o Bradesco e o Itaú ocupam os dois primeiros lugares, portanto são mais “públicos” que os estatais.

Outro destaque é que os juros cobrados no rotativo do cartão de crédito, na segunda semana de janeiro de 2016, pela CEF e pelo Banco do Brasil, foram de 415% e de 437% ao ano, respectivamente, o que é uma não contribuição “pública” dessas instituições. Também, de acordo com o Banco Central do Brasil, o Bradesco tem taxas inferiores às do Banco do Brasil em algumas modalidades de crédito e de tarifas, portanto, mais “público”.

Note-se que não é uma questão apenas de nome “público” ou “estatal”, mas de concepção do funcionamento do setor e da crise de crédito atual.

O governo continua com uma visão anacrônica do funcionamento do Sistema Financeiro Nacional. O quadro institucional e a atuação são os mesmos de 25 anos atrás, quando a instabilidade macroeconômica era alta, as perdas inflacionárias eram vultosas, os horizontes eram curtos e a incerteza, elevada.

Naquela época, o importante era preservar a moeda nacional, o que explica os prazos curtos, a moeda remunerada, a indexação geral e o uso de bancos estatais para financiar o investimento. Não é mais o caso. Urge sua adequação aos novos tempos.

Também não é uma questão de mais ou menos bancos estatais - há países, como EUA e França, em que eles não têm papel nenhum, e outros, como China e Índia, em que têm um rol importante -, mas, sim, de uma atuação adequada às atuais necessidades. No Brasil, cumprem um papel importante, que pode ser aprimorado.

Outro ponto a ser destacado no pacote é que, se a ênfase do governo fosse “melhorar”, em vez de “ampliar” o crédito, o peso da dívida de cidadãos e de empresas cairia, a capacidade de endividamento aumentaria e a tão desejada retomada aconteceria.

Há soluções simples que são ignoradas. Basta uma assinatura do presidente do Banco Central para acabar com os compulsórios. Isso injetaria R$ 390 bilhões no sistema de crédito, quase cinco vezes mais que o anunciado no pacote.

Outra medida poderia ser zerar o IOF de operações de crédito. Haveria um estímulo importante para que os bancos emprestem mais em prazos mais longos e depende apenas de uma canetada do secretário da Receita Federal.

Além do anacronismo da intermediação, o sistema financeiro experimenta uma secagem do crédito (liquidity squeeze), agravada por uma bolha de inadimplência e um quadro recessivo.

A secagem do crédito (a falta de financiamentos acessíveis) fez com que a inadimplência se propagasse por toda a economia. Os índices de atrasos em aluguéis, escolas, telefonia, comércio e impostos batem recordes históricos mês após mês. A dificuldade em obter e poder conceder prazos a clientes e fornecedores trava as engrenagens do setor produtivo.

Urge melhorar a oferta de crédito. O saldo total está encolhendo em termos reais, as concessões estão caindo em valores nominais, as taxas de juros subindo e a inadimplência disparando - 1 em cada 3 cidadãos e 1 em cada 2 empresas têm anotações por contas em atraso.

Observa-se, também, uma deterioração na composição da oferta de financiamentos, com o aumento da proporção das linhas mais onerosas e curtas, como o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito, em detrimento de outras com prazos mais longos e com taxas menores.

O efeito disso na economia é desastroso e as projeções para este ano são mais do mesmo. Vive-se um círculo vicioso em que as taxas cobradas aumentam, pressionando a inadimplência, induzindo a elevar ainda mais o custo do dinheiro.

Observa-se um crescente perverso: cada vez mais, mais recursos dos devedores são canalizados para o pagamento de dívidas. Os juros pagos por operações de crédito, que não incluem os juros da dívida pública, correspondiam a 10,8% do PIB em 2012, subiram para 11,3% no ano seguinte, depois para 12,6% em 2014 e para 16,2% no ano passado.

Obviamente, é insustentável. Essa sequência acabará ou em desastre ou em recessão prolongada, se os ajustes adequados não forem feitos. O País vive uma situação inusitada: uma crise financeira com capacidade ociosa para emprestar nos bancos e uma relação crédito/PIB na metade de seu potencial.

Quanto antes houver um consenso sobre o diagnóstico correto para os problemas e forem adotadas as correções, mais rápida será a recuperação da economia. Os problemas são graves, mas superáveis.

A prescrição é fazer uma ampla reestruturação de dívidas institucionalizada, um choque de liquidez e adotar uma política bancária adequada, para os públicos (todos), para os estatais (de controle do governo) e para a banca de fomento (que poderia ter uma atuação maior dos privados), que estimule o crédito responsável.

Sem pressa e sem pausa, acudam a política bancária.

ROBERTO LUIS TROSTER É DOUTOR EM ECONOMIA PELA USP, FOI ECONOMISTA-CHEFE DA FEBRABAN E PROFESSOR DA USP E DA PUC-SP / E-MAIL: ROBERTOTROSTER@UOL.COM.BR

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX