Dida Sampaio/Estadão - 22/7/2015
Dida Sampaio/Estadão - 22/7/2015

TCU quer ficha limpa também na gestão pública

Presidente Michel Temer vai assinar decreto que prevê a escolha de nomes do alto escalão de acordo com critérios de competência e qualificação

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 05h00

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer assina na quinta-feira, 26, decreto com uma série de exigências para serem seguidas pelos representantes da administração pública. A exemplo do que foi feito para os gestores de estatais, essa é uma tentativa de prevenir prejuízos como os detectados nos atos de corrupção da Petrobrás. “Esses líderes maiores vão responder perante a alta administração. Ministros, secretários executivos, secretários executivos adjuntos, cargos de confiança”, disse ao ‘Estadão/Broadcast’ o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes.

O TCU costurou com o Palácio do Planalto o texto do decreto, que se assemelha à iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) com as “10 Medidas Contra a Corrupção”. Nardes não adiantou os tópicos, mas disse que a Corte propôs que a escolha de ministros, secretários e cargos comissionados de alto escalão seja feita de acordo com critérios de competência e qualificação. “Isso te dá o mínimo. Ter competência para exercer o cargo. Ter técnica, não ter problema com ficha limpa.”

Os integrantes do governo serão avaliados pelo desempenho e pelo cumprimento de metas. Caso haja falhas, o TCU pode aplicar multas ou fazer recomendações.

++TCU vê fraude em licitação para obras no Comperj

Para Nardes, essas mudanças serão fundamentais em 2019, para abrir caminho para a gestão do próximo governo. No começo, a aplicação do decreto será acompanhada por um projeto-piloto na Fundação Nacional da Saúde (Funasa), responsável pelas atividades de saneamento em cidades menores.

A intenção é oferecer instrumentos para evitar que os desvios na administração pública aconteçam e precisem ser punidos. Os três motes serão liderança, estratégia e controle. “O tribunal vai continuar sendo duro, bastante rigoroso. Só que agora temos ferramentas para evitar que o leite seja derramado”, disse Nardes. “No Brasil, o sistema de como fazer política e gestão está comprometido.”

O decreto valerá imediatamente para órgãos do Executivo e um projeto de lei deve ser encaminhado ao Congresso Nacional para que as práticas valham para outros Poderes e também para Estados e municípios. 

++Tribunal de Contas da União fará avaliação do tamanho das estatais brasileiras

Outra recomendação do decreto é a avaliação de risco, para evitar que o governo aplique recursos em determinadas ações sem o devido planejamento. Essa medida foi incorporada pelos órgãos do Executivo ainda na gestão do ex-ministro do Planejamento Valdir Simão e agora será adotada formalmente como prática de governança.

O TCU mensura o Índice Geral de Governança com os tribunais de contas dos Estados e detectou que “o Brasil está no estágio inicial em termos de governança pública”. Os dados mostram que 37% das organizações federais não têm processo adequado de seleção de membros da alta administração e de conselhos, 69% das instituições não possuem adequada gestão de riscos e controles internos confiáveis, e 55% das organizações não explicitam na estratégia objetivos, iniciativas e metas.

++TCU vê brecha para envio do Orçamento de 2018 já com nova meta

Nardes tem recebido investidores estrangeiros que demonstram preocupação em torno da segurança jurídica para aplicar recursos no País. A avaliação do ministro é que essas ferramentas ajudarão na recuperação. O decreto será assinado por Temer na abertura do Fórum Nacional de Controle.

::: Mande um WhatsApp para o E&N. O número é: 11 99439-3766 :::

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.