Hélvio Romero/AE
Hélvio Romero/AE

Telefónica compra fatia da PT na Vivo por € 7,5 bilhões

Após venda, Portugal Telecom comprará 22,4% da Oi, em negócio que pode chegar a € 3,7 bilhões

Clarissa Mangueira, Danielle Chaves e Sabrina Valle, da Agência Estado,

28 Julho 2010 | 08h19

A Portugal Telecom (PT) confirmou que vai vender sua fatia na brasileira Vivo Participações para a espanhola Telefónica por € 7,5 bilhões (cerca de R$ 17,2 bilhões) e usar parte dos recursos para comprar uma fatia de 22,4% da Oi, também brasileira. Segundo os termos do acordo anunciado pela PT, a empresa deverá desembolsar até € 3,7 bilhões (R$ 8,4 bilhões) na aquisição da Oi.

Os altos executivos de ambas as companhias fecharam um acordo verbal preliminar na noite de terça-feira e pela manhã desta quarta-feira o acordo foi confirmado.

Após meses de discussões entre as duas companhias ibéricas, a PT informou em um comunicado enviado ao órgão regulador do mercado português que receberá o pagamento da Telefónica em três partes: 4,5 bilhões de euros seriam recebidos no fechamento do negócio; 1 bilhão de euros, em 30 de dezembro de 2010; e os restantes 2 bilhões de euros, em 31 de outubro de 2011.

A Portugal Telecom também detalhou que, após a transação, o BNDESPar ficará com 16,8% de participação na Oi, e os fundos de pensão Previ, Funcef e Petros, com 23,1%. Juntos, BNDES e fundos ficarão com 39,9%. Hoje, a participação deles é de 49,9%. Ou seja, a parcela deles será reduzida em 10 pontos porcentuais, exatamente o mesmo porcentual que a PT terá de participação direta na Telemar Participações após a transação. 

Empréstimo

A Telefónica fechou um acordo com bancos para obter um empréstimo de € 8 bilhões, parte do qual será utilizada para financiar a aquisição da participação da Portugal Telecom na Vivo, afirmaram fontes familiarizadas com o negócios.

Cerca de € 10 bilhões foram oferecidos pelos bancos para o financiamento que está sendo coordenado pelo Citigroup, segundo uma das fontes. O financiamento está dividido em um empréstimo de três anos de € 5 bilhões, precificado em 65 pontos-base sobre a Euribor, e um empréstimo de 5 anos de € 3 bilhões, precificado em 80 pontos-base sobre a Euribor, disse uma outra fonte.

O empréstimo de € 5 bilhões será utilizado para financiar a oferta de € 7,5 bilhões pela Vivo, enquanto que o empréstimo de € 3 bilhões será usado para refinanciar uma dívida que vence no curto prazo, disseram as fontes.

Mercado importante

O Brasil é um mercado importante tanto para a PT como para a Telefónica, já que ambas enfrentam declínio na receita em seus amadurecidos mercados domésticos e estão sofrendo o prolongado impacto de uma severa recessão.

A imprensa local já apontava que a nova oferta da Telefónica deveria ser aprovada pelo governo português, visto que o aumento da proposta permitirá que a PT mantenha negócios nos Brasil e tenha poder de fogo financeiro para ser tornar um acionista chave na Oi, por meio da aquisição de uma participação de mais de 20% na companhia de telefonia brasileira. As informações são da Dow Jones.

Texto atualizado às 13h50

Mais conteúdo sobre:
Telefónica Portugal Telecom Vivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.