Beto Barata/PR
Beto Barata/PR

'Nada nos destruirá', diz Temer ao afirmar que Brasil está na rota de superação

Em cerimônia no Planalto, presidente afirmou ainda que seguirá com agenda de modernização e não tem um 'plano B'

Carla Araújo e Fabricio de Castro, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2017 | 12h23

BRASÍLIA - Em uma tentativa de agenda positiva na semana em que deve ser denunciado pelo procurador-geral da república, Rodrigo Janot, o presidente Michel Temer deu um recado durante cerimônia no Palácio do Planalto e afirmou eu seu governo está “na rota da superação e nada o destruirá”.  “O Brasil esta nos trilhos, na rota da superação. Ninguém duvide, nossa agenda de modernização do Brasil é a mais ambiciosa de muito tempo. Tem sido implementada com disciplina, tenacidade, com sentido de missão. Não há plano B. Há de seguir adiante. Nada nos destruirá. Nem a mim, nem aos nossos ministros”, afirmou.

Em discurso durante cerimônia de sanção da conversão em lei da Medida provisória 764, que já vigora desde dezembro do ano passado, Temer tentou destacar um discurso otimista de retomada da economia, principalmente no varejo.  A medida autoriza a diferenciação de pagamentos de bens e serviços oferecidos conforme o meio de pagamento, ou seja, regulamenta os descontos em compras à vista ou pagas em dinheiro em espécie.  “A MP agora sancionada é singela, mas lei não precisa ser longa para produzir efeitos”, disse, ressaltando que a medida “promove a justiça social, garante a transparência e protege o consumidor”.

Os dados mais recentes do varejo brasileiro, divulgados em 13 de junho pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam situação ainda difícil para o setor. As vendas subiram 1,50% em abril ante março e recuaram 0,4% em relação a abril de 2016. No acumulado de 2017, há queda de 1,8% e, nos 12 meses até abril, baixa de 6,3%.

Ao afirmar que as leis singelas também podem produzir efeitos, Temer disse que leis mais extensas, muito explicativas, podem gerar “uma prisão para o interprete, que é o poder Judiciário”. “Nós adotamos muito o habito de hoje de ampliar demais, quando fazemos uma lei ou decreto, e explicitar demasiadamente, o que gera muitas vezes uma prisão ao interprete, que é o poder judiciário”, declarou.

VEJA TAMBÉM: Brasil pode registrar este mês sua primeira deflação desde 2006

 Temer disse ainda que sabe que seu governo é transitório e que está fazendo uma transição para quem vem depois “encontrar o país nos trilhos”. “Ninguém duvide nossa agenda de modernidade”, afirmou.  

O presidente não citou a derrota da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), na semana passada, e destacou que a modernização trabalhista vai gerar mais emprego e não retira direitos. “Resgatamos a responsabilidade fiscal como pilar da nossa economia”, afirmou, lembrando a PEc que implementou um limite do teto dos gastos públicos.

O presidente lembrou que grande parte “do nosso povo não tem cartão de credito”, mas que ela promove “a transparência na economia”. Temer citou ainda que medida já era pleito antigo e que tem tido ao longo de seu governo “a satisfação” de estar atendendo demandas e produzindo pelo país.  “Nem todos entendem bem isso, as vezes as pessoas tomam outros caminhos, mas vamos continuar  produzindo  pelo país, realizar e fazer.”

CENÁRIO: Expectativa de inflação cai ainda mais com deflação prevista para junho

Temer ressaltou liberação do FGTS e diz que medida impulsionou o varejo e afirmou ainda que com a diferenciação de preço os lojistas e varejistas terão mais chances de eventualmente reclamar com operadoras de cartão. “A MP de hoje é só mais um passo num caminho de um Brasil mais moderno”, afirmou. 

Mais conteúdo sobre:
Economia Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.