Jorge William/ Agência O Globo
Jorge William/ Agência O Globo

Governo tenta avançar em acordo com partidos para aprovar a reforma da Previdência

Estratégia governista é conseguir que pelo menos seis siglas da base aliada obriguem seus parlamentares a votar pela aprovação da reforma previdenciária; presidentes de partidos propõem um 'pacto' envolvendo a distribuição do fundo eleitoral

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2017 | 18h12

BRASÍLIA – Como última cartada para aprovar a reforma da Previdência ainda este ano, o governo trabalha para que pelo menos seis partidos da base aliada obriguem seus parlamentares a votar a favor do texto. Isso garantiria os votos de 219 deputados do PMDB, PSDB, DEM, PRB, PP e PTB. A maioria das siglas, no entanto, avalia que isso só será possível se o PMDB, legenda do presidente Michel Temer, e o PSDB tomarem a dianteira

A articulação do governo em torno dos partidos indica uma mudança de estratégia na reta final para colocar a reforma em votação no Congresso ainda este ano. Em vez de negociar voto a voto, a equipe política busca um compromisso mais firme dos comandos dos partidos para amarrar o apoio dos seus parlamentares. 

++Municípios terão R$ 3 bi se reforma da Previdência for aprovada', diz Eliseu Padilha

No jargão político, o que se quer é que os partidos “fechem questão” sobre o assunto. Isso significa que a decisão precisa ser tomada pela maioria da executiva nacional do partido. Quando isso acontece, parlamentares que votarem de forma diferente ao que determinou a direção podem ser punidos até mesmo com a expulsão.

++PT fará ofensiva contra a reforma da Previdência

Presidentes de partidos também propuseram um “pacto” envolvendo a distribuição do fundo eleitoral e a janela para mudança de partido sem risco de perda de mandato. A ideia é repassar mais recursos do fundo para deputados mais fiéis ao governo e que as siglas não aceitem deputados que votassem contra a reforma. 

A sugestão foi apresentada pelo presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, mas enfrenta resistência de partidos como o DEM, que planeja aumentar sua bancada na Câmara em pelo menos nove deputados. O PTB divulgou nesta segunda-feira, 4, carta pública na qual afirma que orientará sua bancada a votar a favor da reforma.

Para passar no plenário da Câmara, são necessários 308 votos em cada um dos dois turnos de votação. O governo espera que a proposta seja votada na próxima semana, mas só levará a plenário se tiver 320 a 330 votos garantidos. “Hoje não temos nem 300 votos”, admite Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo na Casa.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira no Rio que o acordo do governo com os líderes no fim de semana pode garantir 330 votos a favor da reforma. “No sábado eu estava pessimista, mas agora estou realista”, afirmou. 

Temer se reuniu com os presidentes dos partidos e líderes no fim de semana para fazer um apelo pela reforma em troca de apoio do governo nas campanhas eleitorais em alianças e com recursos. Os encontros melhoraram o humor dos deputados sobre a viabilidade de aprovar o texto ainda em 2017. Ainda assim, integrantes da base, como PR (37 deputados), PSD (38 deputados) e SD (14 deputados), já informaram que não fecharão questão. / COLABOROU ROBERTA JANSEN, DO RIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.