1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Tendência de alívio no ritmo de alta dos preços fica mais clara

- Atualizado: 09 Março 2016 | 21h 28

Com mais força do que projetavam os analistas, a inflação medida pela variação do IPCA recuou em fevereiro, na comparação com o IPCA-15. As estimativas apontavam uma alta de 1% no índice mensal cheio, mas o resultado apurado pelo IBGE mostrou uma elevação de 0,9%. Com isso, a inflação em 12 meses recuou um pequeno degrau, de 10,71%, em janeiro, para 10,36%, no mês passado. Foi a primeira queda do índice desde setembro.

As indicações disponíveis depois da divulgação dos números de fevereiro reforçam expectativas de que a alta de preços, pelo menos até fins de 2017, tenha batido no teto no período de apuração do IPCA-15 de fevereiro. Projeções atualizadas para a marcha da inflação mostram agora um declínio consistente, no acumulado em 12 meses.

Por tais projeções, a variação do IPCA já recuaria dos dois dígitos em março, para quando está prevista elevação em torno de 0,5%, no mês e de 9,5%, em 12 meses. Como este está prometendo ser o padrão de variação do IPCA na maior parte dos meses restantes do ano, o índice, caso as expectativas se confirmem, recuaria a cada mês até fechar 2016 com alta entre 7% e 7,5%. Exercícios de previsão mais alongados no tempo – e, portanto, mais incertos – localizam em fevereiro de 2017 o ponto de regresso da inflação aos limites dos 6,5% que definem o teto da meta.

Em todas as categorias de bens e serviços que compõem o IPCA, a trajetória prevista para 2016 e 2017 é de redução do ritmo de alta em relação a 2015. Destaque para os administrados, que devem avançar nas vizinhanças de 7%, em 2016, depois do ajuste que resultou numa alta explosiva de 18%, no ano passado.

Outras forças deflacionárias podem contribuir para confirmar a moderação das altas, conforme as projeções. Embora sempre imprevisível, a taxa de câmbio, importante elemento de disseminação da inflação, para cima ou para baixo, não deverá nem de longe sofrer desvalorizações tão acentuadas quanto os mais de 50% registrados em 2015. Além disso, o quadro recessivo, que opera no sentido de conter tanto a demanda quanto o crédito que a impulsiona, não deve dar trégua tão cedo.

É verdade que o índice de difusão, indicador da proporção de itens com preços em alta, continua em 77%, bem acima da média histórica. Sinal de resistências, expressas em parte por tentativas de indexação de preços, visíveis sobretudo nos serviços. Mas a tendência de alívio na inflação, ainda que a alta de preços se mantenha em níveis elevados, ficou mais clara.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX