1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine

Tendências aposta em varejo forte em fevereiro

BEATRIZ BULLA - Agencia Estado

13 Março 2014 | 10h 57

O resultado positivo das vendas do varejo ampliado, que subiram 3,5% em janeiro contra o mesmo mês do ano passado, foi puxado pela antecipação das compras de veículos, de acordo com a economista Mariana Oliveira, da Tendências Consultoria Integrada. Ela explica que a corrida às concessionárias aconteceu para aproveitar estoques ainda sem elevação da alíquota do IPI e sem obrigatoriedade dos itens de segurança como airbags, que encarecem os automóveis. A antecipação das compras de carros ainda pode ter resquícios no mês de fevereiro, que deve apresentar comércio forte devido ao efeito calendário. Na continuidade do ano, no entanto, a expectativa da economista é de desaceleração do varejo.

"As condicionantes apontam para uma desaceleração ao longo do ano, devido ao baixo crescimento de renda e inflação resistente", explica Mariana. A expectativa da Tendências, de acordo com ela, é de crescimento de 4% no ano no varejo restrito, contra alta de 4,3% em 2013, e de 3,3% no dado ampliado, contra 3,6% no ano passado. Ela destacou que é esperada para o ano uma "leve recuperação do crédito livre", mas lembra que ainda serão sentidos os efeitos de uma política monetária contracionista.

O mês de fevereiro, contudo, será beneficiado pelo calendário. Tanto pelo fato de que o carnaval, neste ano, ficou no mês de março, como também por conta da antecipação das compras antes do feriado. "A antecipação de compras antes do carnaval cai justamente na última semana de fevereiro", apontou Mariana.

De acordo com a economista, a alta de 0,4% em janeiro ante dezembro no varejo ampliado aconteceu "a despeito do arrefecimento da massa das famílias, do aumento nas taxas de juros e da trajetória de queda da confiança do consumidor". O crescimento do comércio no primeiro mês do ano pode ser explicado pela "trajetória dos preços de alimentos e vestuário, que vieram abaixo da sazonalidade", de acordo com a economista.