Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Tesouro rebate crítica à quitação das pedaladas

Economia & Negócios

DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Tesouro rebate crítica à quitação das pedaladas

Secretário nega que tenham sido usados recursos repassados do lucro do Banco Central e de royalties para o pagamento das pedaladas fiscais no fim do ano passado

0

Lorenna Rodrigues, Adriana Fernandes, Bernardo Caram, Racuel Gamarski,
O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2016 | 21h32

O secretário interino do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, negou que tenham sido usados recursos repassados do lucro do Banco Central e de royalties para o pagamento das pedaladas fiscais no fim do ano passado, como acusam economistas. A desvinculação de fontes para o pagamento das pedaladas, permitida pela Medida Provisória 904, editada no final de dezembro, é apontada como inconstitucional por um grupo de economistas.

Em 2015, o governo pagou R$ 72,4 bilhões a bancos públicos, dos quais R$ 55,8 bilhões foram de atrasados quitados em dezembro. Para o pagamento, o governo editou a MP 904, permitindo que recursos do chamado superávit financeiro fossem utilizados para outras fins que não a destinação original da fonte.

O superávit financeiro é formado por “sobras de caixa”, de recursos em fontes que tinham destinação específica e não foram totalmente utilizados. O economista José Roberto Afonso questiona a legalidade da operação. Uma das dúvidas apontadas por ele é se as receitas poderiam ser desvinculadas por meio de MP.

Segundo o Tesouro, foram pagos R$ 27,1 bilhões com o superávit financeiro. Desse montante, R$ 21,1 bilhões vieram do colchão da dívida, composto por recursos de emissão de títulos. Outros R$ 5,9 bilhões eram recursos do FGTS que estavam retidos no caixa do Tesouro. Outros R$ 45,3 bilhões pagos aos bancos públicos vieram de recursos do exercício de 2015, segundo o Tesouro, de diversas fontes. “Não foram usados recursos do resultado positivo do Banco Central para pagamento de passivos, nem foram utilizados recursos de royalties para pagamentos dos passivos”, afirmou Ladeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.